30.9.19

Estudar e Obedecer a Sua Vontade - Study and Obey His Will

Bollinger Motors B1 and B2 Reveal 2019

Overview of Kings and Events

Monday, September 30


The first group of returnees received the task of rebuilding the temple of God. We will study about the opposition to the building of the temple in a later lesson. Now, we will discuss the succession of Persian kings during the temple’s prolonged construction and the rebuilding of Jerusalem. It is important to know the history behind the stories of Ezra and Nehemiah, as it provides a deeper insight into their messages.

Read Ezra 4:1-7. Who were the different kings mentioned during whose reign the opposition to the building of the temple occurred?

Here is the list of Persian kings, in their chronological order, who are connected with the books of Ezra and Nehemiah. It begins with Cyrus, who established the Persian Empire and conquered Babylon in 539 B.C.:
Cyrus II “the Great” (559–530 B.C.)
Cambyses II (530–522 B.C.)
Darius I (522–486 B.C.)
Xerxes I (485–465 B.C). (Also known from the book of Esther as Ahasuerus.)
Artaxerxes I (465-424 B.C).

As we study these books, it’s very important to know that the appearance of these kings is not mentioned in Ezra in chronological order. For example, Ezra 4:6-24 is inserted before chapter 5, which continues the story of the opposition to the building of the temple. Consequently, the letters involving Xerxes I (Ahasuerus) and Artaxerxes I described in Ezra 4 occurred after the events recorded in chapters 5 and 6, dealing with Darius I. This sequence can seem perplexing to readers, and it may account for some of the confusion that people have had over the centuries regarding the books. As we go through the quarter, knowing the order of events will help us better understand the messages of Ezra and Nehemiah.

How often have you found things in the Bible that have perplexed you? How can you learn to trust God, and His Word, even when you come across things that don’t seem to make sense? Why is it important for you to do so? (See Isaiah 55:8, 9).

29.9.19

O Primeiro Regresso dos Exilados

Domingo, 29 de Setembro 

1. Leia Jeremias 25:11, 12; 29:10; e Daniel 9:1, 2. Quando aconteceu o primeiro regresso dos exilados? Que profecia este regresso cumpriu? 

Jeremias tinha escrito que a terra de Judá ia permanecer desolada durante 70 anos, sob o domínio de Babilónia (isto aconteceu no período de 606-605 a.C. a 537-536 a.C.). Então Deus abriria as portas para que os cativos regressassem, através da ordem de Ciro, em cumprimento da profecia. Quando Daniel estudou os escritos de Jeremias, percebeu que tinha chegado a hora deste regresso prometido. 

Em Daniel 9, o profeta estava perturbado, porque os 70 anos estavam quase a acabar sem nenhuma mudança aparente, e o novo Império Persa já tinha subido ao poder. Ele lamentou-se e voltou-se para Deus, a implorar misericórdia e o cumprimento das Suas promessas. No mesmo capítulo (Daniel 9:24-27), Deus assegurou a Daniel que estava a cuidar de tudo e que, no futuro, o Libertador ia morrer pelo povo, para expiar os seus pecados, trazer a justiça e cumprir o sistema dos sacrificios. O Deus estava a dizer era: “Daniel, não te preocupes. O verdadeiro Libertador (Jesus) certamente virá, mas também lhes enviarei livramento agora”. Pouco tempo depois, Deus moveu Ciro, o rei da Pérsia, a dar a ordem para libertar os cativos. Deus é sempre fiel às Suas promessas (veja em Daniel 10 como Deus interveio para assegurar que o Seu povo prosperasse na terra). 

Esdras 1 registra a proclamação do rei Ciro de que a nação de Israel estava livre para regressar a Jerusalém e construir a casa do Senhor. O primeiro grupo que regressou a Judá era composto por cerca de 50.000 pessoas e provavelmente incluísse mulheres e crianças de outros territórios. A ordem dada por Ciro, entre os anos 539 e 537 a.C., não apenas os deixou ir, mas também garantiu que eles regressassem com presentes e ofertas, incluindo os vasos originais do templo, que tinham sido saqueados por Nabucodonosor. Este evento lembra-nos a saída dos israelitas do Egito muitos anos antes, quando Deus moveu o coração dos egípcios para presentear Israel na sua despedida. 

Que outras profecias históricas foram cumpridas exatamente como prometido na Palavra? Sente conforto ao saber que Deus conhece o futuro e que podemos confiar nas Suas promessas?

The First Return of Exiles

Sunday, September 29


Read Jeremiah 25:11, 12 and 29:10 and Daniel 9:1, 2. When did the first return of the exiles happen? What prophecy was the return fulfilling?

The Lord influenced Cyrus to allow the first return, in fulfillment of Jeremiah’s 70-year prophecy. Jeremiah had written that the land of Judah would lie desolate for 70 years under Babylon (this happened, from 606/605 B.C. to 537/536 B.C.), but then God would open the doors for the captives’ return. As Daniel studied the writings of Jeremiah, he realized that the time had come for that promised return.

In Daniel 9, Daniel is distraught because the 70 years were nearly up with no apparent change, and the new Persian empire had now risen to power. He mourned and turned to God, pleading for mercy and the fulfillment of His promises. In the same chapter (Daniel 9:24-27), God assured Daniel that He watches over everything and has a future planned, with a Deliverer who will die for the people to atone for their sins, bring righteousness, and fulfill the sacrificial system. In effect, God was saying, “Daniel, don’t worry. Since the true Deliverer (Jesus) will surely come, I will also send a deliver for you now”. Shortly afterward, God moved Cyrus, the king of Persia, to give the command to release the captives. God is always true to His promises (See Daniel 10 for how God intervened in order to secure the prosperity of His people in their homeland.)

Ezra 1 records King Cyrus’s proclamation that the nation of Israel was free to return to Jerusalem and to build the house of the Lord. The command was given sometime between the years 539–537 B.C. Not only does Cyrus let them go, but he also makes sure that they return with gifts and offerings, including the original vessels from the temple, which had been stolen by Nebuchadnezzar. This event reminds us of the Israelites leaving Egypt many years before, when God also moved the hearts of the people to present them with parting gifts. This first group to return to Judah was composed of about 50,000 people, which most likely included women and children from other territories.

What other historical prophecies have been fulfilled exactly as promised in the Word, and how can we draw comfort from them that God knows the future and that we can trust His promises to us?

Entendendo a história: Zorobabel e Esdras

Lição 1, 28 de Setembro a 04 de Outubro 


Sábado à tarde 

VERSO PARA MEMORIZAR: “Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus dos Céus, me deu todos os reinos da Terra e me encarregou de Lhe edificar uma casa em Jerusalém de Judá.” Esdras 1:2 

LEITURAS DA SEMANA: Jeremias 25:11, 12; Daniel 9:1, 2; Esdras 4:1-7; 7:1-28; Isaías 55:8, 9 

Deus tinha prometido nos escritos de Jeremias que o Seu povo voltaria para Israel após 70 anos de exílio babilónico. O rei Ciro foi o instrumento que Deus usou para permitir que esse retorno acontecesse. Ungido por Deus (Isaías 45:1), Ciro publicou um decreto por volta de 538 a.C. libertando o povo de Deus e consentindo que este retornasse a Jerusalém para reconstruir o templo. Deus (e não Ciro) falou a respeito da cidade: “Será edificada”, garantindo a sua reconstrução; e do templo: “Será fundado” (Isaías 44:28), movendo o coração de Ciro a conceder permissão para a construção do templo. 

É sempre encorajador ver o povo de Deus reagir positivamente às ações do Senhor: “Então, se levantaram os cabeças de famílias de Judá e de Benjamim, e os sacerdotes, e os levitas, com todos aqueles cujo espírito Deus despertou, para subirem a edificar a Casa do Senhor, a qual está em Jerusalém” (Esdras 1:5). 

Vemos aqui um exemplo de pessoas a reagir positivamente aos atos poderosos e graciosos de Deus. As nossas melhores ações resultam da percepção de quem Deus é e do que Ele faz, bem como do conhecimento do modo amoroso como intervém a favor do Seu povo.

28.9.19

Making Sense of History: Zerubbabel and Ezra

Lesson 1, September 28 - October 4


Sabbath Afternoon

Read for This Week’s Study: Jeremiah 25:11, 12; Daniel 9:1, 2; Ezra 4:1-7; Isaiah 55:8, 9; Ezra 7:1-28.

Memory Text: “Thus says Cyrus king of Persia: All the kingdoms of the earth the LORD God of heaven has given me. And He has commanded me to build Him a house at Jerusalem which is in Judah.” Ezra 1:2

In the writings of Jeremiah, God had promised that His people would return home after 70 years of Babylonian exile. King Cyrus was God’s instrument to allow this return to happen. Anointed by God (Isaiah 45:1), Cyrus issued a decree about 538 B.C., freeing up God’s people to return to their country and to rebuild the temple.

It was God (not Cyrus) who spoke regarding Jerusalem: " 'You shall be built,' And to the temple, 'Your foundation shall be laid.' " (Isaiah 44:28). God was the guarantor that Jerusalem would be rebuilt, and He stirred the heart of Cyrus to grant permission to build the temple.

It is always encouraging, too, to see God’s people respond positively to the Lord’s actions: “Then the heads of the fathers’ houses of Judah and Benjamin, and the priests and the Levites, with all whose spirits God had moved, arose to go up and build the house of the Lord which is in Jerusalem” (Ezra 1:5).

Here we see an example of people responding positively to God’s mighty and gracious acts. Our best performance comes from a realization of who God is and what He has done, and from knowing how He lovingly intervenes on behalf of His people.

As mudanças climáticas são reais, mas qual é a verdadeira causa?


"O refreador Espírito de Deus está sendo agora mesmo retirado da Terra. Furacões, tormentas, tempestades, incêndios, inundações, desastres em terra e mar, seguem-se um ao outro em rápida sequência. A ciência busca uma explicação para tudo isso. Os sinais que se avolumam em torno de nós, prenunciando a manifestação do Filho de Deus, são atribuídos a qualquer outra causa que não a verdadeira. Os homens não discernem as sentinelas angélicas que retêm os quatro ventos, para que não soprem até que os filhos de Deus estejam selados. Mas quando Deus mandar que Seus anjos soltem os ventos, haverá uma tal cena de luta que nenhuma pena pode descrever."

Testemunhos para a Igreja 6, p. 408.1

Climate change is real, but what is the true cause?


"The restraining Spirit of God is even now being withdrawn from the world. Hurricanes, storms, tempests, fire and flood, disasters by sea and land, follow each other in quick succession. Science seeks to explain all these. The signs thickening around us, telling of the near approach of the Son of God, are attributed to any other than the true cause. Men cannot discern the sentinel angels restraining the four winds that they shall not blow until the servants of God are sealed; but when God shall bid His angels loose the winds, there shall be such a scene of strife as no pen can picture."

Climate Change, Is It Real?

Starship Update

SpaceX's Starship and Super Heavy launch vehicle is a fully, rapidly reusable transportation system designed to carry both crew and cargo to Earth orbit, the Moon, Mars, and anywhere else in the solar system. On Saturday, September 28 at our launch facility in Cameron County, Texas, SpaceX Chief Engineer and CEO Elon Musk will provide an update on the design and development of Starship.

You can watch the event, which will begin at approximately 7:00 p.m. CDT, using the link below.

Source: SpaceX

27.9.19

“A Community Of Servants”

Carlos Muñoz - A Community of Servants

Estudo Adicional 27.9.19

Sexta-feira, 27 de Setembro 

Textos de Ellen G. White: Atos dos Apóstolos, p. 546-556 (“Uma Fiel Testemunha”) e Beneficência Social, p. 81-86 (“Bondade – a Chave Para os Corações”). 

“A obra que os discípulos fizeram, nós também devemos fazer. Todo o cristão deve ser missionário. Cumpre-nos, em simpatia e compaixão, servir aos que necessitam de auxílio, buscando com abnegado zelo aliviar as misérias da humanidade sofredora. [...] 

Temos que alimentar o faminto, vestir o nu, confortar o aflito e o sofredor. Devemos ajudar os que estão em desespero e inspirar esperança aos destituídos dela. 

O amor de Cristo, manifestado num ministério abnegado, será mais eficaz na reforma do malfeitor do que a espada ou o tribunal de justiça. [...] Muitas vezes o coração que se endurece sob a reprovação, abranda-se ante o amor de Cristo.” Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 104, 106 

“A escravidão, o sistema de castas, preconceitos raciais, a opressão dos pobres, a negligência dos desafortunados - todos estes são apresentados como contrários ao cristianismo, uma séria ameaça ao bem-estar da humanidade, e como males que a igreja de Cristo é ordenada por seu Senhor a derrotar.” A.G. Daniells, presidente da Associação Geral, falando sobre a obra de Ellen G. White em seu funeral, Life Sketches of Ellen G. White [Histórias da Vida de Ellen G. White], p. 473 

Perguntas para discussão: 

1. Que forças, percepções e recursos a Igreja Adventista do Sétimo Dia pode usar na tarefa de aliviar as necessidades mundiais? 

2. Já se sentiu encorajado e apoiado pela sua igreja? Como pode estender esse encorajamento a outras pessoas? 

3. O que o pode ajudar a não se cansar de fazer o bem? 

4. A Igreja Adventista do Sétimo Dia apoia projetos que promovem a justiça e combatem a pobreza no mundo. Conhece essas iniciativas? Como podemos contribuir a este aspecto do trabalho da igreja? 

Resumo: Somos chamados a cuidar das necessidades dos outros, especialmente dos feridos, sofredores e oprimidos. Embora tenhamos as nossas responsabilidades individuais nesta área, como comunidade podemos ser mais eficientes.

Further Thought 27.9.19

Friday, September 27



“The work which the disciples did, we also are to do. Every Christian is to be a missionary. In sympathy and compassion we are to minister to those in need of help, seeking with unselfish earnestness to lighten the woes of suffering humanity …

We are to feed the hungry, clothe the naked, and comfort the suffering and afflicted. We are to minister to the despairing, and to inspire hope in the hopeless.

The love of Christ, manifested in unselfish ministry, will be more effective in reforming the evildoer than will the sword or the court of justice … Often the heart that hardens under reproof will melt under the love of Christ.” Ellen G. White, The Ministry of Healing, pages 104, 106

“Slavery, the caste system, unjust racial prejudices, the oppression of the poor, the neglect of the unfortunate—these all are set forth as unchristian and a serious menace to the well-being of the human race, and as evils which the church of Christ is appointed by her Lord to overthrow.” General Conference president A. G. Daniells, speaking of the work of Ellen G. White at her funeral, Life Sketches of Ellen G. White, p. 473

Discussion Questions:

There are many people, groups, and organizations seeking to relieve need in the world. What unique strengths, insights, and resources can the Seventh-day Adventist Church bring to this task?

Can you remember a time when you have felt encouraged and supported by your church community? Learning from that experience, how can you extend that same encouragement to others?

As well as the support of a church community, what other things can help you avoid becoming “weary in doing good”?

What are some of the justice and poverty projects and initiatives you are aware of that the Seventh-day Adventist Church around the world is currently supporting? How might you be able to contribute to this aspect of the church’s work?

Summary: Yes, as Christians, we are called to minster to the needs of others, especially others who are hurting, suffering, and oppressed. And though we have our individual responsibilities in this area, as a community focused on ministering to others, we can be much more effective working together as a church family.

26.9.19

Estimulemos Uns Aos Outros Às Boas Obras

Quinta-feira, 26 de Setembro 

Ainda que tenhamos as melhores motivações e intenções, trabalhar para o Senhor pode ser difícil e desanimador. A tristeza e a dor do nosso mundo são reais. Esta é uma razão pela qual precisamos da igreja. Jesus deu o exemplo deste tipo de comunidade de apoio com os Seus discípulos. Ele raramente enviava as pessoas sozinhas, e mesmo quando isso acontecia, rapidamente elas se juntavam outra vez para partilhar as suas histórias e renovar a sua energia e coragem. 

5. Leia Hebreus 10:23-25. Como nos ajudam os versos 23 e 24 a entender o verso 25, a parte mais conhecida desta passagem? Como nos podemos incentivar uns aos outros “ao amor e às boas obras”? 

Em quase todas as tarefas, causas ou projetos, um grupo que trabalha unido pode alcançar mais do que seria feito se todas as pessoas atuassem individualmente. Isto lembra-nos mais uma vez da imagem da igreja como o corpo de Cristo (veja Romanos 12:3-6), no qual todos temos funções diferentes, mas complementares. Quando cada um faz o seu melhor no papel que lhe foi designado, mas de uma forma que permita que a sua influência trabalhe em conjunto com os demais, é certo que a sua vida e o seu trabalho farão a diferença para a eternidade. 

Embora os resultados sejam importantes quando procuramos fazer o que é certo, precisamos confiar em Deus. Às vezes, quando trabalhamos para reduzir a pobreza, proteger os vulneráveis, libertar os oprimidos e defender os que não têm voz, vemos pouco progresso. Mas temos a esperança de que estamos a trabalhar numa causa muito maior e inevitavelmente vitoriosa: “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos. Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé” (Galatas 6:9, 10, veja também Hebreus 13:16). 

Somos chamados a nos encorajarmos mutuamente. Viver fielmente é ao mesmo tempo uma experiência alegre e difícil. O nosso Deus justo e a nossa comunidade são os nossos maiores amparos. Por esta razão, convidamos os outros a se unirem a nós. 

Conhece alguém que trabalha regularmente para aliviar o sofrimento dos outros? Como pode a sua igreja encorajar essa pessoa na boa obra que ela está a fazer?

O MELHOR NEGÓCIO

Encourage Each Other to Good Works

Thursday, September 26


Even with the best motivations and intentions, and believing that we are on the side of God and goodness, working for the Lord can be difficult and discouraging. The sadness and pain of our world are real. This is one reason we need a church community. Jesus modeled this kind of supportive community with His disciples. He rarely sent people out on their own, and even when that happened they would soon come together again to share their stories and renew their energy and courage.

Read Hebrews 10:23-25. Hebrews 10:25 is the best known of these verses, so what do the preceding two verses add to our understanding of the well-known verse? What are some of the ways in which we can encourage each other “to stir up love and good works”?

In almost any task, cause, or project, a group of people working together can achieve more than all of those people working individually. This reminds us again of the picture of the church as the body of Christ (see Romans 12:3-6), in which we all have different but complementary roles to play. When we each do what we do best, but do it in a way that allows our influences to work together, we can trust by faith that our lives and work will make a difference for eternity.

While results are important when seeking to do what is right - the results are about people and their lives - we sometimes have to trust God with what the results might be. At times when working to alleviate poverty, to protect the vulnerable, to free the oppressed, and to speak up for the voiceless, we will see little progress. But we have the hope that we are working in a far greater and inevitably victorious cause: “And let us not grow weary while doing good, for in due season we shall reap if we do not lose heart. Therefore, as we have opportunity, let us do good to all, especially to those who are of the household of faith” (Galatians 6:9, 10, see also Hebrews 13:16).

This is why we are called to encourage - literally, to inspire with courage—one another. Living faithfully is both joyous and difficult. Our God of justice and our community of justice are our greatest supports and what we invite others to join.

Whom do you know or know of who regularly works at alleviating the suffering of others? How could you encourage that person or group in the good work they are doing?

25.9.19

Graça dentro da Igreja

Quarta-feira, 25 de Setembro 

No início do livro de Jó, Deus indica que a fidelidade de Jó a Ele é uma demonstração da excelência dos Seus caminhos e do Seu relacionamento com a humanidade caída (veja Jó 1:8). É impressionante que Deus permita que a Sua reputação dependa da maneira pela qual o Seu povo vive na Terra. Mas Paulo estendeu esta fé que Deus tem em alguns dos seus “santos” e incluiu nela a comunidade da igreja: “Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus” (Efésios 3:10). 

4. Leia Efésios 2:19. O que está incluído na descrição da igreja como a “família” de Deus? Como deve esta ideia influenciar o funcionamento da igreja? 

Em toda a comunidade ou organização, a maneira como esta entidade trata os seus membros reflete os valores fundamentais do grupo. Como família de Deus, corpo de Cristo e comunidade do Espírito, a igreja tem o chamado mais elevado para viver de maneira fiel, seguindo o exemplo divino, “Porque Deus não é de confusão, e sim de paz. Como em todas as igrejas dos santos” (1 Coríntios 14:33). 

Os valores da justiça, graça e amor devem governar tudo o que acontece na igreja. Estes princípios devem guiar os líderes na sua maneira de liderar, de tomar decisões e de cuidar do “menor destes pequeninos irmãos” da comunidade. Eles também nos devem orientar na resolução das contendas que surgem entre os membros. Se não tratamos com justiça e dignidade os nossos irmãos, como faremos isto com os outros? 

Nos lugares em que a organização da igreja emprega pessoas, ela deve fazer isso com generosidade, valorizando-as e trabalhando contra a injustiça. As igrejas devem ser lugares seguros, com todos os cristãos a fazer o que podem para proteger os vulneráveis. E, como vemos na igreja primitiva, os cristãos devem estar especialmente preparados para dar apoio aos necessitados e sofredores da “família” da igreja. 

Jesus apresentou isto como um mandamento, afirmando que tal atitude não apenas transformaria a comunidade de fé, como também demonstraria a realidade da sua fé aos que estivessem a observar: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois Meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13:34, 35).

Grace Within the Church

Wednesday, September 25


At the beginning of the book of Job, God points to Job and his faithfulness to Him as a demonstration of the goodness of God’s ways and His dealings with fallen humanity (see Job 1:8). It is remarkable that God allows His reputation to hang on how His people live their lives on this earth. But Paul expanded this faith God has in some of His “saints” to include the community of the church: “to the intent that now the manifold wisdom of God might be made known by the church to the principalities and powers in the heavenly places” (Ephesians 3:10).

Read Ephesians 2:19. What do you think is included in the idea of describing the church community as the “household” of God? How should this description influence how the organized church operates?

In any community or organization, how that entity treats its members reflects the foundational values of the group. As the household of God, the body of Christ and the community of the Spirit, the church has the highest of callings to live out and live up to: “For God is not the author of confusion but of peace, as in all the churches of the saints” (1 Corinthians 14:33).

The values of justice, grace, and love—as demonstrated in God’s justice, grace, and love—should govern all that happens within the church. From local church communities to the worldwide church organization, these principles should guide church leaders in how they lead, make decisions, and care for the “least of these” among the church community. They should also guide how we resolve the disputes that arise from time to time among members. If we can’t treat those among us with fairness and dignity, how are we going to do that with others, as well?

Where the church organization employs people, it should be a generous employer, valuing people before any other consideration and working against unfair treatment of members. Churches should be safe places, with all church members doing what they can to protect the vulnerable. And, as we see in the early church, members of the church community should be especially prepared to give to support those of their church “family” who are suffering or in need.

Jesus gave this as a command, saying that not only would this transform the community of faith, it would also demonstrate the reality of their faith to those looking on: “A new commandment I give to you, that you love one another; as I have loved you, that you also love one another. By this all will know that you are My disciples, if you have love for one another” (John 13:34, 35).

24.9.19

Alcançar Pessoas

Terça-feira, 24 de Setembro 

As discussões da igreja às vezes parecem ficar presas na aparente necessidade de escolher entre o trabalho social ou evangelístico, a caridade ou o testemunho, fazer justiça ou evangelizar. Mas quando entendemos melhor cada um destes conceitos e observamos o ministério de Jesus, esta diferença desfaz-se, e percebemos que pregar o evangelho e ajudar os outros são assuntos ligados intimamente. 

Numa declaração muito conhecida, Ellen G. White explicou: “Unica­mente os métodos de Cristo trarão verdadeiro êxito no aproximar-­­se do povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma pessoa que lhes desejava o bem. Manifestava compaixão por eles, ministrava-lhes as necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordenava então: ‘Segue-Me’. [...] Os pobres devem ser socorridos, cuidados os doentes, os aflitos e os que sofreram perdas confortados, instruídos os ignorantes e os inexperientes aconselhados. Cumpre-nos chorar com os que choram, alegrar-nos com os que se alegram” (A Ciência do Bom Viver, p. 143). 

Estas duas ações do reino, fazer justiça e evangelizar, estavam intimamente ligadas, não apenas no ministério de Jesus, mas na primeira comissão aos discípulos: “Pregai que está próximo o reino dos céus. Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demónios; de graça recebestes, de graça dai” (Mateus 10:7, 8). Em suma, uma das melhores maneiras de alcançar os outros com a nossa mensagem é ministrar às suas necessidades. 

3. Leia 1 Pedro 2:12 e Filipenses 2:15. Qual é o poder da influência das boas obras realizadas pelo povo de Deus? 

Compreendendo mais amplamente as boas-novas de Deus, vemos que o evangelismo não tem nenhum sentido sem paixão pelas pessoas. Passagens como 1 João 3:16-18 e Tiago 2:16 enfatizam a contradição de pregar o evangelho sem o viver. Na sua melhor forma, ao trazer as boas-novas de esperança, resgate, arrependimento, transformação e o vasto amor de Deus, o evangelismo é uma expressão de justiça. 

O evangelismo e o desejo por justiça surgem do reconhecimento do amor de Deus por pessoas perdidas, destroçadas e feridas – um amor que cresce no nosso coração sob a influência divina. Não escolhemos entre uma ação ou outra; em vez disso, trabalhamos com Deus na Sua obra pelas pessoas, usando os recursos que Deus nos confiou para as atender. 

Ao realizarmos boas obras pelos outros, como podemos ter a certeza de que não estamos a negligenciar a pregação das boas-novas da salvação?

Reaching Souls

Tuesday, September 24


Church discussions sometimes seem to get stuck on the apparent need to choose between a focus on social work or gospel work, either charity or witnessing, either justice or evangelism. But when we better understand each of these concepts and observe the ministry of Jesus, the difference breaks down, and we realize that preaching the gospel and working to help others are closely linked.

In one of Ellen White’s best-known statements, she explained it like this: “Christ’s method alone will give true success in reaching the people. The Saviour mingled with men as one who desired their good. He showed His sympathy for them, ministered to their needs, and won their confidence. Then He bade them, ‘Follow Me’. …

The poor are to be relieved, the sick cared for, the sorrowing and the bereaved comforted, the ignorant instructed, the inexperienced counseled. We are to weep with those that weep, and rejoice with those that rejoice”. – Ellen G. White, The Ministry of Healing, p. 143.

As we have seen, these two kingdom actions—justice and evangelism—were closely entwined, not only in Jesus’ ministry but in Jesus’ first commission to His disciples: “And as you go, preach, saying, ‘The kingdom of heaven is at hand. Heal the sick, cleanse the lepers, raise the dead, cast out demons. Freely you have received, freely give” (Matthew 10:7, 8). In short, one of the best ways to reach others with our message is to minister to their needs.

Read 1 Peter 2:12 and Philippians 2:15. What do Peter and Paul say about the witnessing power of good works done by God’s people?

With a broader understanding of God’s good news, evangelism does not make sense in the absence of a passion for people. Verses like 1 John 3:16-18 and James 2:16 emphasize the contradiction in preaching the gospel without living it out. At its best, evangelism—bringing the good news of hope, rescue, repentance, transformation, and God’s all-embracing love—is an expression of justice.

Both evangelism and the desire for justice spring from recognizing God’s love for lost, broken, and hurt people—a love that also grows in our hearts under the influence of God in our lives. We don’t choose one action or another; instead, we work with God in working with people, meeting their real needs, and using whatever resources God has entrusted us with.

How can we make sure, though, that as we do good works for others, we don’t neglect preaching the good news of salvation, as well?

23.9.19

Joe Rogan Experience #1262 - Pat McNamara

Best Joe Rogan Experience episode i’ve heard in a long time.

Um Servo Remanescente

Segunda-feira, 23 de Setembro 

A definição do remanescente identificado na profecia bíblica encontra-­se em Apocalipse 12:17: aqueles “que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Apocalipse 14:12). Estas características marcam o povo de Deus no fim da história da Terra. Contudo, as histórias bíblicas também relatam exemplos de como este remanescente age e serve as outras pessoas. 

2. O exemplo de Moisés a este respeito é tremendo. Leia Êxodo 32:1-14. Qual é a comparação entre Moisés nesta história e o remanescente descrito em Apocalipse 12:17? 

Na Sua ira contra o povo de Israel, Deus ameaçou destruí-lo e transferir a Moisés e à sua família as promessas dadas a Abraão (de que os seus descendentes se tornariam uma grande nação; veja Êxodo 32:10). 

No entanto, Moisés não desejava isso. Ele teve a ousadia de argumentar com Deus, sugerindo que, se o Senhor agisse de acordo com a Sua ameaça, Ele não seria visto com bons olhos (Êxodo 32:11-13). 

Moisés lutava para conduzir os israelitas pelo deserto. Eles estavam a reclamar e a lutar desde o momento em que ele os tinha libertado. Porém, Moisés disse a Deus: “Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito” (Êxodo 32:32). Moisés propôs-se desistir da eternidade para salvar aqueles com quem partilhava a sua jornada. 

Que exemplo poderoso de intercessão abnegada a favor daqueles que não a mereciam! E que símbolo poderoso de todo o plano da salvação! 

“Intercedendo Moisés por Israel, desapareceu-lhe a timidez ante o seu profundo interesse e amor por aqueles a favor dos quais tinha sido, nas mãos de Deus, o meio para se fazerem tão grandes coisas. O Senhor ouviu-lhe as súplicas e atendeu à sua oração. Deus tinha provado o Seu servo, a sua fidelidade e amor por aquele povo ingrato e propenso ao erro, e Moisés resistiu à prova nobremente. O seu interesse por Israel não tinha origem em qualquer motivo egoísta. A prosperidade do povo escolhido de Deus era mais valiosa para ele do que a honra pessoal, mais apreciada do que o privilégio de tornar-se o pai de uma poderosa nação. Deus agradou-Se da sua fidelidade, simplicidade de coração e integridade e confiou-lhe, como a um fiel pastor, o grande encargo de guiar Israel à Terra Prometida.” Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 319 

Na medida do possível, como devemos lidar com os pecadores ao nosso redor?

A Servant Remnant

Monday, September 23


The standard definition of the remnant people identified in Bible prophecy is found in Revelation 12:17: those “who keep the commandments of God and have the testimony of Jesus Christ” (see also Revelation 14:12). In the Bible’s story, these features mark out God’s people in the later stages of earth’s history. But, also in the Bible stories, we can find examples of how such a remnant acts and particularly how such people serve others.

The example of Moses in this regard is daunting. Read Exodus 32:1-14. What is the comparison between Moses in this story and the remnant described in Revelation 12:17?

In His anger at the people of Israel, God was threatening to destroy them and transfer the promises given to Abraham—that his descendants would become a great nation—to Moses and his family (see Exodus 32:10).

But Moses didn’t want that. Instead, Moses has the boldness to argue with God, suggesting that for the Lord to act as He is threatening to act will make Him look bad (see Exodus 32:11-13). But then Moses goes further and puts himself on the line to urge his case with God.

Moses had been struggling to lead these people through the wilderness. They had been complaining and bickering almost from the moment he led them to freedom. And yet, Moses says to God, If you are not able to forgive them, “blot me out of Your book which You have written” (Exodus 32:32). Moses offers to give up eternity to save those with whom he has shared his journey.

What a powerful example of self-sacrificing intercession in behalf of those who don’t deserve it! And what a powerful symbol of the entire plan of salvation!

“As Moses interceded for Israel, his timidity was lost in his deep interest and love for those for whom he had, in the hands of God, been the means of doing so much. The Lord listened to his pleadings, and granted his unselfish prayer. God had proved His servant; He had tested his faithfulness and his love for that erring, ungrateful people, and nobly had Moses endured the trial. His interest in Israel sprang from no selfish motive. The prosperity of God’s chosen people was dearer to him than personal honor, dearer than the privilege of becoming the father of a mighty nation. God was pleased with his faithfulness, his simplicity of heart, and his integrity, and He committed to him, as a faithful shepherd, the great charge of leading Israel to the Promised Land”. Ellen G. White, Patriarchs and Prophets, p. 319.

What does this tell us about how, to the degree possible, we should deal with the erring around us?

22.9.19

Question & Answer| Randy Skeete, Kameron DeVasher, Don Mackintosh

Agentes de Mudança


-->
Domingo, 22 de Setembro

Nos primeiros capítulos de Atos, observamos como os primeiros cristãos fundaram uma comunidade diferente, a cuidar dos necessitados entre eles e, a alcançar juntos pessoas que não pertenciam ao grupo de crentes, oferecendo-lhes a ajuda de que precisavam e convidando-os a unirem-se ao que Deus estava a fazer entre eles.

Somando-se às descrições feitas por Jesus sobre o sal e a luz, Paulo usou uma série de metáforas para retratar a ação da igreja no mundo. Entre outras, ele descreve o povo de Deus como um sacrifício (Romanos 12:1), como o corpo de Cristo (1 Corintios 12:12-20), como embaixadores (2 Corintios 5:18-20) e como perfume (2 Corintios 2:14-16). Cada uma destas imagens fala de uma função dos cristãos como representantes ou agentes do reino de Deus mesmo hoje, num mundo devastado pelo grande conflito.

1. Recapitule cada uma destas descrições ”representativas” acima. Como gostaria de representar a Deus e a Sua lei de amor diante das pessoas ao seu redor? Porque?

Existe uma ação associada a cada uma destas imagens, não como um meio para que sejamos aceitáveis a Deus, mas como uma demonstração de que já fomos aceites por Ele mediante o sacrifício de Cristo, e correspondemos ao Seu amor e graça sendo os Seus agentes neste mundo ferido e agonizante.

Mas estas imagens também podem ser consideradas num nível ainda mais profundo: visto que a essência do reino de Deus é o Seu amor e a Sua graça, quando agimos em harmonia com estes princípios, refletindo aos outros amor e graça, representamos e participamos neste reino eterno mesmo hoje.

No direito internacional, uma embaixada nacional é considerada parte da nação que ela representa, mesmo quando fisicamente localizada num país estrangeiro, talvez a uma grande distância do país de origem. Da mesma forma, quando os princípios do reino de Deus são representados oferecem-se vislumbres dessa realidade eterna aqui e agora e, sendo assim, é indicada e prenunciada a derrota final do mal. E ao fazermos isto, como embaixadores e agentes de Cristo, podemos experimentar a realidade do Seu amor e justiça na nossa vida, na igreja e na vida daqueles a quem buscamos servir.

Leia 2 Coríntios 2:16. Qual é a diferença entre os dois aromas e como podemos saber qual deles exalamos?

Agents of Change

Sunday, September 22


We have seen in the early chapters of Acts how the first Christian believers established a different kind of community, caring for those in need among them, and together reaching out to those outside the community, offering them help where needed and inviting them to join in with what God was doing among them.

Adding to Jesus’ descriptions of salt and light, Paul uses a number of metaphors to portray the church’s action in the world. Among others, he describes those who live as God’s people as a sacrifice (see Romans 12:1), Christ’s body (see 1 Corinthians 12:12-20), as ambassadors (see 2 Corinthians 5:18-20), and as perfume (see 2 Corinthians 2:14-16). Each of these images talks about a role as representatives or agents of God’s kingdom even now, even amid a world ravaged by the great controversy.

Review each of these “representative” descriptions above. Which best describes how you would like to represent God and His ways in your community, and why?

Each of these images has action associated with them, not as a means of being acceptable to God but as people already accepted by God through Christ’s sacrifice, who have responded to God’s love and grace by being His agents in a hurt and dying world.

But they can also be considered on a still deeper level: because God’s love and grace is what the kingdom of God is about, when we act in such a way, reflecting to others in love and grace, we enact and participate in that eternal kingdom, even now.

In international law, a national embassy is considered part of the nation it represents, even when physically located in a foreign country, perhaps a long distance from the home nation. In a similar way, enacting the ways of God’s kingdom offers glimpses of that eternal reality here and now and, as such, points to and is a foretaste of the final defeat of evil. And by so doing—as Christ’s ambassadors, as Christ’s agents—we can experience the reality of His love and justice in our own lives, in the church, and in the lives of those we seek to serve.

Read 2 Corinthians 2:16. What is the difference between the two aromas, and how can we know which one we are?

Uma Comunidade de Servos

Lição 13, 21 a 27 de Setembro 


Sábado à tarde 

VERSO PARA MEMORIZAR: “Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras.” Hebreus 10:23, 24 

LEITURAS DA SEMANA: 2 Corintios 2:14-16; Êxodo 32:1-14; 1 Pedro 2:12; Filipenses 2:15; Efesios 2:19; Hebreus 10:23-25 

Ao buscarmos cumprir a missão cristã, não devemos subestimar o potencial da igreja como uma comunidade organizada de cristãos. Já mencionamos os desafios que podemos enfrentar quando buscamos lidar com a injustiça e a pobreza. Mas ao trabalharmos com os nossos irmãos na comunidade de fé, podemos ser uma bênção para os que nos rodeiam. 

A tentação é que, quando nos reunimos como igreja, nos tornemos distraídos com a manutenção da própria igreja, esquecendo-nos de que ela existe para servir o mundo em que Deus a colocou. Como um corpo eclesiástico, não devemos ignorar o sofrimento nem o mal que existem ao nosso redor. Se Cristo não os ignorou, também não devemos os ignorar. Devemos ser fiéis à ordem de pregar o evangelho e, junto com essa pregação, vem a obra de ajudar os oprimidos, os famintos, os nus e os desamparados. 

Juntos, como comunidade e organização da igreja, somos o corpo de Cristo (veja 1 Corintios 12:12-20). Sendo assim, como um povo, devemos andar como Jesus andou, alcançar as pessoas como Ele o fez, e servir como as mãos, pés, voz e coração de Cristo no mundo de hoje.

A Community of Servants

Lesson 13, September 21-27


Sabbath Afternoon


Memory Text: “Let us hold fast the confession of our hope without wavering, for He who promised is faithful. And let us consider one another in order to stir up love and good works.” Hebrews 10:23, 24

In seeking to fulfil the Christian mission, we should not underestimate the potential of the church as an organized community of believers. We have already noted the challenges that we can face when seeking to deal with injustice and poverty. But by working with fellow believers in a community of faith, we can be a blessing to those around us.

The temptation is that when we get together as a church we become distracted with keeping the church itself going, forgetting that the church exists to serve the world in which God has placed it. As a church body, we must not ignore the suffering and evil that exists all around us. If Christ didn’t ignore it, we must not either. We must be faithful to our mandate to preach the gospel, and along with that preaching comes the work of helping the oppressed, the hungry, the naked, and the helpless.

Together as a church community and organization, we are the body of Christ (see 1 Corinthians 12:12-20). As such, we as a community should walk as Jesus walked, reach out as Jesus did, and serve as the hands, feet, voice, and heart of Jesus in the world today.

20.9.19

“To Love Mercy” (12 of 13) by Fred Dana

Shawn Brummund - To Love Mercy

Estudo Adicional 20.9.19

Sexta-feira, 20 de Setembro 

Textos de Ellen G. White: A Ciência do Bom Viver, p. 503-516 (“Uma Experiência Mais Alta”); Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 511-526 (“Dever Para com os Desafortunados”) e (“O Dever do Homem Para com seus Semelhantes”); Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 24-37 (“Trabalhando por Cristo”). 

“Examinai o Céu e a Terra, e não existe aí, revelada, uma verdade mais poderosa do que aquela que se manifesta em obras de misericórdia aos que necessitam da nossa compaixão e auxílio. Esta é a verdade como se encontra em Jesus. Quando os que professam o nome de Cristo praticarem os princípios da regra áurea, o evangelho será secundado pelo mesmo poder que o acompanhava na era apostólica.” Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 137 

“Supremo amor por Deus e desinteressado amor mútuo: eis o melhor dom que o nosso Pai celestial pode conceder. Este amor não é um impulso, mas um princípio divino, um poder permanente. O coração não consagrado não o pode criar nem produzir. Ele acha-se apenas no coração em que Jesus reina. [...] Este amor, acariciado no coração, ameniza a vida e derrama influência enobrecedora ao redor.” Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 551 

Perguntas para discussão: 

1. Vimos que o evangelho continua a ser o modelo e a motivação para agir a favor dos outros, como Jesus agiu a nosso favor. Isto expandiu a sua compreensão e apreciação das boas-novas do que Deus fez por nós e da maneira como Ele mostra o Seu amor por nós? 

2. Levantar a voz pelos que não têm voz, engajar-nos em atividades de pacificação e outras semelhantes pode atrair-nos para esferas públicas e políticas. No entanto, a nossa Igreja tem sido defensora da separação entre Igreja e Estado. Qual é a diferença entre o envolvimento político inadequado e a defesa e o trabalho público pela paz? 

3. Que ação discutida no estudo desta semana gostaria de praticar na sua vida e comunidade? Como pode fazer isso acontecer? 

4. Contra que tipo de opressão na sua comunidade decidiu orar? 

Resumo: Seguir a Jesus muda a nossa vida em muitos aspectos e traz o desejo de defendermos interesses dos pobres e oprimidos. Sendo uma tarefa difícil e impopular, ela muda as nossas prioridades e motiva-nos a aliviar a dor dos que nos rodeiam.

Further Thought 20.9.10

Friday, September 20



“Search heaven and earth, and there is no truth revealed more powerful than that which is made manifest in works of mercy to those who need our sympathy and aid. This is the truth as it is in Jesus. When those who profess the name of Christ shall practice the principles of the golden rule, the same power will attend the gospel as in apostolic times.” Ellen G. White, Thoughts From the Mount of Blessing, p. 137.

“Supreme love for God and unselfish love for one another—this is the best gift that our heavenly Father can bestow. This love is not an impulse, but a divine principle, a permanent power. The unconsecrated heart cannot originate or produce it. Only in the heart where Jesus reigns is it found … This love, cherished in the soul, sweetens the life and sheds a refining influence on all around.” Ellen G. White, The Acts of the Apostles, p. 551.

Discussion Questions:

As we have seen in this week’s study, the gospel continues to be the template and motivation for acting on behalf of others, as Jesus acted on our behalf. How has this expanded your understanding and appreciation of the good news of what God has done for us and how He shows His love for us?
Raising our voice for the voiceless, engaging in peacemaking, and similar activities may draw us into public and political arenas. However, the Seventh-day Adventist Church has been a champion of the separation of church and state. What is the difference between inappropriate political involvement and speaking up and working to make peace in public ways?

What one step or action discussed in this week’s study would you like to take in your life and community? How can you make it happen?

What issue of evil and oppression have you decided to pray for in your community or in the wider world?

Summary: Becoming a follower of Jesus will change our lives in many ways, including producing in us a passion to join in with God’s active concern for the poor and downtrodden. Never an easy task and rarely popular, this will change our priorities and motivate us to take active steps to heal the hurt in the world around us.

19.9.19

Uma Voz Para Os Que Não Têm Voz

Quinta-feira, 19 de Setembro 

Salomão escreveu que há “tempo de estar calado e tempo de falar” (Eclesiastes 3:7). Ele tinha razão. Encontrar o equilíbrio não é simples para ninguém. Mas, quando se trata de defender os oprimidos, de ser uma voz para os que não têm voz e vencer o mal com o bem é possível que tenhamos errado pelo demasiado silêncio quando a nossa voz devia ter sido ouvida. 

Os cristãos muitas vezes falam sobre ser as mãos e os pés de Jesus, referindo-se ao chamado para o serviço prático a favor dos outros, como Jesus deseja que façamos. Mas na função profética demonstrada na Bíblia, o primeiro chamado de Deus é para que homens e mulheres sejam a Sua voz e, ao falarem em Seu nome, que também falem em nome daqueles que Deus deseja defender (veja Salmos 146:6-10). 

5. Leia Isaías 58:1-10. O que nos diz esta mensagem hoje, mensagem dada no seu tempo, lugar e contexto específicos, noutra época, lugar e contexto? O que mudou desde a época em que Isaías a escreveu? 

O apelo dos profetas por justiça nunca foi um caminho para a popularidade. Mas motivados pela ordem de Deus, compreendendo o Seu desejo de justiça, compadecendo-se da condição dos pobres e oprimidos e buscando o melhor para a sociedade, os profetas ousaram ser a voz dos que não tinham voz, apesar da oposição, incômodo e perigo (1 Pedro 3:17). 

Com base na nossa compreensão do evangelho e no chamado para refletir Jesus ao mundo, os Adventistas do Sétimo Dia também têm muitas coisas boas a oferecer em relação ao tratamento do problema do mal no mundo. 

Veja alguns exemplos: “Os adventistas [...] creem que as ações para reduzir a pobreza e as suas injustiças resultantes sejam uma parte importante da responsabilidade social cristã. A Bíblia revela claramente o interesse especial de Deus pelos pobres e as Suas expectativas quanto à maneira como os Seus seguidores devem auxiliar os incapazes de cuidar de si mesmos. Todo o ser humano carrega a imagem de Deus e é destinatário da Sua bênção (Lucas 6:20). Quando trabalhamos com os pobres, seguimos o exemplo e o ensino de Jesus (Mateus 25:35, 36). Como comunidade espiritual, os Adventistas do Sétimo Dia defendem a justiça para os pobres e abrem ‘a boca a favor do mudo’ (Proverbios 31:8) e contra os que ‘[desviam] os pobres do seu direito’ (Isaias 10:2). Agimos de acordo com Deus que mantém ‘o direito do necessitado’” (Salmos 140:12; Declaração Oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia Sobre a Pobreza Mundial, 24 de junho de 2010).

A Voice for the Voiceless

Thursday, September 19


Solomon wrote that there is “A time to keep silence, and a time to speak” (Ecclesiastes 3:7). He was right, and finding that balance is not simple for any of us. However, when it comes to speaking for the oppressed and being a voice for the voiceless and seeking to overcome evil with good, is it possible that as a church we have erred on the side of too much silence when our voice should have been heard?

Christians have often talked about being the hands and feet of Jesus, referring to the call to practical service for others as Jesus would have us do. But in the prophetic role as demonstrated in the Bible, God’s first call is for men and women to be His voice—and in speaking on behalf of God, also speaking up on behalf of those God wants to defend (see Psalms 146:6-10).

Read Isaiah 58:1-10. What should this message, given in its specific time and place and context, say to us today in another time, place, and context? How much has really changed between the time Isaiah wrote this and our world today?

The prophets’ call to justice was never a path to popularity. But motivated by their commission from God, understanding God’s passion for justice, sympathizing with the plight of the poor and oppressed, and seeking the best for their society, these prophets dared to be a voice for the voiceless in their time and place, despite opposition, discomfort, and danger (see 1 Peter 3:17).

Based on our understanding of the gospel and the call to reflect Jesus to the world, Seventh-day Adventists also have many good things to offer in regard to dealing with the evil in the world.

Such as: “Seventh-day Adventists believe that actions to reduce poverty and its attendant injustices are an important part of Christian social responsibility. The Bible clearly reveals God’s special interest in the poor and His expectations as to how His followers should respond to those who are unable to care for themselves. All human beings bear the image of God and are the recipients of God’s blessing (Luke 6:20). In working with the poor we follow the example and teaching of Jesus (Matthew 25:35, 36). As a spiritual community Seventh-day Adventists advocate justice for the poor and ‘Open [their] mouth for the speechless’ (Proverbs 31:8) and against those who ‘take what is right from the poor’ (Isaiah 10:2). We participate with God who ‘maintain(s)... justice for the poor’. (Psalms 140:12)”. Seventh-day Adventist Official Statement on Global Poverty, June 24, 2010.

Are All Foods Now Clean?

18.9.19

Brad Pitt Speaks with NASA Astronaut Nick Hague Aboard the ISS

Pacificação

Quarta-feira, 18 de Setembro 

3. Leia Mateus 5:9. No mundo em que vivemos, como podemos praticar o que Jesus disse neste texto? (Veja Marcos 13:7). 

Um conflito causa bastante sofrimento. Incluídos nos custos da guerra estão as vítimas diretas e as vidas destruídas, os recursos dedicados à maquina militar e o sofrimento contínuo dos sobreviventes e veteranos de guerra, mesmo entre os “vencedores”. Há também conflitos menores que marcam inúmeras vidas em famílias e comunidades. Sendo assim, o desejo de justiça não pode ignorar a ordem de pacificar. 

No centro do evangelho de Jesus está o gracioso e grandioso ato de pacificação de Deus, reconciliando o ser humano pecador com o seu Criador (veja 2 Corintios 5:18-21). E a reconciliação que recebemos torna-se o padrão para que sejamos “embaixadores” desta oferta de restauração de relacionamento para os outros também. 

4. Isaías 52:7. Como podemos colocar este texto em prática? 

O evangelho traz a motivação, o modelo e o recurso para trabalharmos pela paz no nosso mundo violento: “O coração que se encontra em harmonia com Deus partilha a paz do Céu e difunde ao redor de si a sua bendita influência. O espírito de paz repousará como orvalho sobre os corações desgostosos e perturbados pelos conflitos mundanos” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 28). 

No Sermão da Montanha, Jesus disse: “Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5:9). Aprofundando a questão, Ele não só confirmou o mandamento “não matarás”, mas também disse que não devemos ficar irados nem guardar rancor (Mateus 5:21-26) e que devemos amar os nossos inimigos e orar por aqueles que nos perseguem (Mateus 5:43-48), o que significa que devemos tomar medidas ativas para o bem deles. Há muitas histórias inspiradoras de pessoas que dedicaram a vida à pacificação em lugares de conflito, trazendo vislumbres de reconciliação e cura, aliviando parte do sofrimento trazido por esses conflitos. 

Como pode a sua igreja agir como pacificadora na sua comunidade e noutros lugares?

Peacemaking

Wednesday, September 18


Read Matthew 5:9. In the kind of world we live in, how do we do what Jesus says here? Ultimately, how successful can we be? See Mark 13:7.

Violent conflict is a significant cause of suffering. Included in the costs of war are the direct victims and shattered lives, the attention and resources devoted to military machinery that would be better diverted to alleviating other human needs and the ongoing suffering of war survivors and veterans, even among the “victors”. Then there are the many smaller conflicts that scar countless lives in families and communities. As such, a passion for justice cannot ignore the mandate to peacemaking.

At the heart of the gospel of Jesus is God’s gracious and grand act of peacemaking, reconciling sinful human beings to their Creator (see 2 Corinthians 5:18-21). And the reconciliation we receive becomes the pattern for us to be “ambassadors” for this reconciliation for others, as well.

Read Isaiah 52:7. How do we live out this text too?

The gospel of peace also becomes the motivation, pattern, and resource for working for peace in our violent world: “The heart that is in harmony with God is a partaker of the peace of heaven and will diffuse its blessed influence on all around. The spirit of peace will rest like dew upon hearts weary and troubled with worldly strife”. Ellen G. White, Thoughts From the Mount of Blessing, p. 28.

In the Sermon on the Mount, Jesus said, “Blessed are the peacemakers, For they shall be called sons of God” (Matthew 5:9). Taking this further, not only did He affirm the commandment against killing, He said we should not be angry or hold a grudge (see Matthew 5:21-26) and that we should love our enemies and pray for those who persecute us (see Matthew 5:43-48), meaning that we should take active steps to seek their good. There are many inspiring stories of people who have devoted their lives to peacemaking in world trouble spots, bringing glimpses of reconciliation and healing, and often alleviating much of the injustice and suffering these conflicts have brought.

What are ways that your local church, at its local level, could act in the role of peacemaker?

Generosidade

Terça-feira, 17 de Setembro 

“Deus ama ao que dá com alegria” (2 Corintios 9:7), e a doação generosa é um aspecto importante da vida cristã. Embora devamos permitir que a Bíblia desafie as nossas prioridades quanto às finanças e doações, a generosidade é mais do que apenas investir dinheiro numa causa, não importa o quanto ela seja digna. 

Em vez disso, a generosidade é uma das maiores atitudes da vida e uma qualidade essencial daqueles que temem ao Senhor, conforme observado diversas vezes no Salmo 112: “O homem bom se compadece, e empresta; disporá as suas coisas com juízo” (Salmos 112:5). 

2. O que ensinam os seguintes textos sobre a generosidade para com os necessitados? Levitico 25:35-37; Salmos 119:36; 2 Corintios 8:12-15; 1 João 3:16-18; 1 Timoteo 6:17-19 

Nas suas cartas no Novo Testamento, Paulo citou regularmente a generosidade de Deus, expressa mais plenamente em Jesus, ao dar a Sua vida por nós, como a fonte da esperança cristã. Por sua vez, a Sua morte por nós é também a motivação para vivermos com generosidade para com os outros: “[Oro] para que a comunicação da tua fé seja eficaz no conhecimento de todo o bem que em vós há por Cristo Jesus (Filemom 6). 

A generosidade é uma atitude abundante, ousada e abrangente em relação à vida. Muitas coisas na nossa vida individual, na sociedade e na cultura levam-nos a focalizar a nós mesmos, e a reter o máximo que podemos. 

Porém, se a nossa fé é real, ela nos levará a morrer para nós mesmos e a viver mais para os outros. A nossa fé faz-nos imaginar o mundo e o seu povo como Deus os vê, nos seus aspectos bons e maus, e impele-nos a ajudar os necessitados, seja qual for a sua condição. 

Como característica da vida, a generosidade é prontamente apreciada por angariadores de recursos e instituições de caridade. Esta qualidade é mensurável e diretamente prática. Mas grandes doações não indicam necessariamente uma vida generosa (veja Marcos 12:41-44). Esta, sim, é maior e mais valiosa do que qualquer doação. Precisamos apreciar e cultivar mais um espírito generoso em tudo o que fazemos. Para a maioria das pessoas, a generosidade não vem naturalmente; é uma graça que precisamos cultivar e expressar na nossa vida de maneira proativa e intencional, independentemente da influência da nossa condição humana pecaminosa e egoísta. 

Além de doarmos dinheiro, ainda que generosamente, de que maneira devemos manifestar um espírito generoso?

17.9.19

Generosity

Tuesday, September 17


“God loves a cheerful giver” (2 Corinthians 9:7), and generous giving is an important aspect of the Christian life. While we must allow the Bible to challenge our giving and financial priorities, generosity is more than just throwing money at a cause, no matter how worthy.

Instead, generosity is one of the largest of life attitudes and a key quality of “those who fear the LORD”, as noted a number of times in Psalm 112: “A good man deals graciously and lends; He will guide his affairs with discretion.” (Psalms 112:5).

What do the following texts teach about generosity toward those in need? Leviticus 25:35-37, Psalms 119:36, 2 Corinthians 8:12-15, 1 John 3:16-18, 1 Timothy 6:17-19.

In his New Testament letters, Paul regularly cited the generosity of God—expressed most fully in Jesus’ giving His life for us—as the source of the Christian hope. In turn, His death for us was also the motivation for our living a life of generosity toward others: “that the sharing of your faith may become effective by the acknowledgment of every good thing which is in you in Christ Jesus” (Philemon 1:6).

Generosity is an attitude toward life that is large, bold, and embracing. So much in our individual lives, societies, and cultures prompts us to focus on ourselves, to keep as much as we can for ourselves. And let’s face it, for most of us the default mode is always self, self, self anyway.

If it is real, our faith will cause us to die to self and live more for others. Our faith helps us imagine the world and its people as God sees them, in both their goodness and their brokenness, and it impels us to seek to help those in need, to whatever degree possible.

As a quality of living, generosity is readily appreciated by fundraisers and charities. Such generosity is measurable and directly practical. But large donations do not necessarily indicate a generous life (see Mark 12:41-44). A generous life is larger and more valuable than any donation. We need better to appreciate and cultivate a generous spirit in all that we do. For most people, generosity doesn’t come naturally; it is grace that we need to express in our lives proactively and purposely, regardless of the pull of our sinful, selfish humanity.

Besides giving money, even generously, what are other ways that we should manifest a generous spirit?