31.10.19

Angels, Dreams and Visions

Nehemiah’s Example

Thursday, October 31


Read Nehemiah 5:14-19. What reasons does Nehemiah give for not demanding “the governor’s provisions [fees]” (Nehemiah 5:18) from the people?

Nehemiah most likely wrote the account in these verses after his return to the court of King Artaxerxes, after his 12 years of governorship in Judah. Although governors were entitled to receive revenue from their subjects, Nehemiah never claimed this right, but rather financed his own living. Not only did he pay for his own expenses, but he also provided for his family as well as the whole court. Zerubbabel, the first governor, is the only other governor whose name we know. When Nehemiah says “the former governors”, he is most likely referring to the governors in between Zerubbabel and himself. As a result, by the time he was done with his term in office, he very likely lost money. Rather than acquiring riches, as one would expect from a prestigious position, he probably forfeited wealth and possessions. Nehemiah was wealthy, which is why he could provide the daily food for many people, and he was generous in supplying plenty to others (Nehemiah 5:17, 18).

Though it was not the same thing as what Abraham did after the rescue of those taken captive by some of the surrounding nations (see Genesis 14), what Nehemiah does here nevertheless reveals the same crucial principle.

Read Nehemiah 5:19. What is he saying there, and how do we understand this in terms of the gospel?

What we see with Nehemiah is an example of someone who put the Lord and the Lord’s work before his own personal gain and advantage. It’s a good lesson for us all, regardless of our particular situation. It’s easy to work for the Lord when it doesn’t cost us much.

Read Philippians 2:3-8. In what ways, right now, can you reveal in your own life the self-denying principles expressed here?

30.10.19

Um Juramento

Quarta-feira, 30 de Outubro 

4. Leia Neemias 5:12, 13. Porque pronunciou Neemias uma maldição contra os que não cumprissem a sua parte no acordo? 

Mesmo que os líderes concordassem em restituir e devolver o que eles tinham confiscado, Neemias não ficou satisfeito com meras palavras. Ele precisava de provas sólidas; portanto, ele fez que jurassem diante dos sacerdotes. Esta ação também deu validade legal ao processo, caso ele tivesse que fazer referência ao acordo posteriormente. 

Mas porque pronunciou ele uma maldição? Neemias fez o ato simbólico de levantar as suas vestes como se tivesse que reter nelas alguma coisa para depois as sacudir como sinal de perda. Assim, aqueles que fossem contra este juramento perderiam tudo. Era costume proferir maldições para impressionar os outros quanto à importância de determinada lei ou regulamento. As pessoas também eram menos propensas a contrariar a Lei quando estava associada uma maldição à quebra dela. Parece que Neemias considerou esta questão tão importante que ele precisava fazer algo drástico para aumentar a probabilidade do seu sucesso. 

5. O que ensinam os seguintes textos do Antigo Testamento sobre a santidade dos juramentos? Neemias 30:2; Deuteronómio 23:21-23; Eclesiastes 5:4, 5; Levítico 19:12; Génesis 26:31 

A fala é um dom poderoso que Deus deu ao ser humano; radicalmente diferente do que acontece com os animais. Há poder nas nossas palavras, o poder da vida e da morte. Por isso, precisamos ser muito cautelosos com o que dizemos, com o que prometemos fazer e com os compromissos verbais que assumimos. Também é importante que as nossas ações correspondam às nossas palavras. Muitas pessoas afastam-se do cristianismo por causa daqueles cujas palavras soam cristãs, mas as suas ações não provam isso. 

Pense no impacto que as palavras têm sobre os outros. Como podemos ser cautelosos com o que dizemos, quando dizemos e como o dizemos?

An Oath

Wednesday, October 30


Read Nehemiah 5:12, 13. Why does Nehemiah pronounce a curse against those who do not uphold their part of the agreement?

Even though the leaders agree to restore and give back what they have confiscated, Nehemiah is not satisfied with mere words. He needs solid proof; therefore, he makes them swear an oath before the priests. This action also gave the proceedings legal validity in case he had to reference the agreement later.

But why does he pronounce a curse? Nehemiah performs a symbolic act of gathering up his garments as if to hold something in them and then shaking them out as a sign of losing it. Thus, those who would go against this oath would lose everything. It was customary to utter curses in order to impress upon others the significance of a certain law or rule. The people were also less likely to go against the law when a curse was associated with the breaking of it. Nehemiah apparently felt that this was such an important issue that he needed to do something drastic in order to enhance the probability of its success.

What do the following texts in the Old Testament teach us about the sanctity of oaths for these people? (Numbers 30:2; Deuteronomy 23:21-23; Ecclesiastes 5:4, 5; Leviticus 19:12; Genesis 26:31).

In the end, speech is a powerful gift that God has given to humans; it exists as something radically different from what animals have. And there is power in our words, the power even of life and death. Hence we need to be very careful in what we say, in what we promise to do, and in what verbal commitments we make. It’s also important that our deeds match our words. How many people have been turned off to Christianity by those whose words sound Christian but whose actions are anything but?

Think about just how much impact your words have on others. How can we learn to be very careful in what we say, when we say it, and how we say it?

29.10.19

Mark of the Beast

In a view given June 27, 1850, my accompanying angel said, “Time is almost finished. Do you reflect the lovely image of Jesus as you should?” Then I was pointed to the earth and saw that there would have to be a getting ready among those who have of late embraced the third angel’s message. Said the angel, “Get ready, get ready, get ready. Ye will have to die a greater death to the world than ye have ever yet died.” I saw that there was a great work to do for them and but little time in which to do it.

Then I saw that the seven last plagues were soon to be poured out upon those who have no shelter; yet the world regarded them no more than they would so many drops of water that were about to fall. I was then made capable of enduring the awful sight of the seven last plagues, the wrath of God. I saw that His anger was dreadful and terrible, and if He should stretch forth His hand, or lift it in anger, the inhabitants of the world would be as though they had never been, or would suffer from incurable sores and withering plagues that would come upon them, and they would find no deliverance, but be destroyed by them. Terror seized me, and I fell upon my face before the angel and begged of him to cause the sight to be removed, to hide it from me, for it was too dreadful. Then I realized, as never before, the importance of searching the Word of God carefully, to know how to escape the plagues which that Word declares shall come on all the ungodly who shall worship the beast and his image and receive his mark in their foreheads or in their hands. It was a great wonder for me that any could transgress the law of God and tread down His holy Sabbath, when such awful threatenings and denunciations were against them.

The pope has changed the day of rest from the seventh to the first day. He has thought to change the very commandment that was given to cause man to remember his Creator. He has thought to change the greatest commandment in the Decalogue and thus make himself equal with God, or even exalt himself above God. The Lord is unchangeable, therefore His law is immutable; but the pope has exalted himself above God, in seeking to change His immutable precepts of holiness, justice, and goodness. He has trampled underfoot God’s sanctified day, and, on his own authority, put in its place one of the six laboring days. The whole nation has followed after the beast, and every week they rob God of His holy time. The pope has made a breach in the holy law of God, but I saw that the time had fully come for this breach to be made up by the people of God and the waste places built up.

I pleaded before the angel for God to save His people who had gone astray, to save them for His mercy’s sake. When the plagues begin to fall, those who continue to break the holy Sabbath will not open their mouths to plead those excuses that they now make to get rid of keeping it. Their mouths will be closed while the plagues are falling, and the great Lawgiver is requiring justice of those who have had His holy law in derision and have called it “a curse to man,” “miserable,” and “rickety.” When such feel the iron grasp of this law taking hold of them, these expressions will appear before them in living characters, and they will then realize the sin of having that law in derision which the Word of God calls “holy, just, and good.”

Then I was pointed to the glory of heaven, to the treasure laid up for the faithful. Everything was lovely and glorious. The angels would sing a lovely song, then they would cease singing and take their crowns from their heads and cast them glittering at the feet of the lovely Jesus, and with melodious voices cry, “Glory, Alleluia!” I joined with them in their songs of praise and honor to the Lamb, and every time I opened my mouth to praise Him, I felt an unutterable sense of the glory that surrounded me. It was a far more, an exceeding and eternal weight of glory. Said the angel, “The little remnant who love God and keep His commandments and are faithful to the end will enjoy this glory and ever be in the presence of Jesus and sing with the holy angels.”

Then my eyes were taken from the glory, and I was pointed to the remnant on the earth. The angel said to them, “Will ye shun the seven last plagues? Will ye go to glory and enjoy all that God has prepared for those who love Him and are willing to suffer for His sake? If so, ye must die that ye may live. Get ready, get ready, get ready. Ye must have a greater preparation than ye now have, for the day of the Lord cometh, cruel both with wrath and fierce anger, to lay the land desolate and to destroy the sinners thereof out of it. Sacrifice all to God. Lay all upon His altar—self, property, and all, a living sacrifice. It will take all to enter glory. Lay up for yourselves treasure in heaven, where no thief can approach or rust corrupt. Ye must be partakers of Christ’s sufferings here if ye would be partakers with Him of His glory hereafter.”

Heaven will be cheap enough, if we obtain it through suffering. We must deny self all along the way, die to self daily, let Jesus alone appear, and keep His glory continually in view. I saw that those who of late have embraced the truth would have to know what it is to suffer for Christ’s sake, that they would have trials to pass through that would be keen and cutting, in order that they may be purified and fitted through suffering to receive the seal of the living God, pass through the time of trouble, see the King in His beauty, and dwell in the presence of God and of pure, holy angels.

As I saw what we must be in order to inherit glory, and then saw how much Jesus had suffered to obtain for us so rich an inheritance, I prayed that we might be baptized into Christ’s sufferings, that we might not shrink at trials, but bear them with patience and joy, knowing what Jesus had suffered that we through His poverty and sufferings might be made rich. Said the angel, “Deny self; ye must step fast.” Some of us have had time to get the truth and to advance step by step, and every step we have taken has given us strength to take the next. But now time is almost finished, and what we have been years learning, they will have to learn in a few months. They will also have much to unlearn and much to learn again. Those who would not receive the mark of the beast and his image when the decree goes forth, must have decision now to say, Nay, we will not regard the institution of the beast.

Early Writings 64.1 - 67.2

O Sinal da Besta

Numa visão dada em 27 de Junho de 1850, meu anjo acompanhante disse: “O tempo está quase terminado. Reflectis, como deveis, a amorável imagem de Jesus?” Foi-me indicada então a Terra e vi que tinha de haver uma preparação da parte daqueles que nos últimos tempos abraçaram a terceira mensagem angélica. Disse o anjo: “Preparai-vos, preparai-vos, preparai-vos. Tereis de experimentar uma morte para o mundo, maior do que jamais experimentastes antes.” Vi que havia grande obra a ser feita por eles e pouco tempo para fazê-la.

Vi então que as sete últimas pragas deviam ser logo derramadas sobre os que não têm abrigo; no entanto o mundo se referia a elas como se não fossem mais que gotas de água que estivessem para cair. Fui então capacitada a enfrentar a terrível visão das sete últimas pragas da ira de Deus. Vi que Sua ira era tremenda e terrível, e que se Ele estendesse a Sua mão ou a levantasse em ira, os habitantes do mundo seriam como se nunca tivessem existido, ou padeceriam de incuráveis chagas e fulminantes pragas que sobre eles viriam, e não encontrariam livramento, mas seriam destruídos por elas. O terror se apossou de mim, e eu caí sobre o meu rosto diante do anjo e supliquei-lhe fosse a visão removida, que a afastasse de mim, pois era demasiado horrível. Então compreendi, como nunca dantes, a importância de investigar cuidadosamente a Palavra de Deus, para saber como escapar às pragas que a Palavra de Deus declara virão sobre todos os ímpios que adorarem a besta e sua imagem e receberem o seu sinal em suas testas ou em suas mãos. Surpreendi-me grandemente de que alguém transgredisse a lei de Deus e pisasse o Seu santo sábado, quando tão terríveis ameaças e advertências estavam contra eles.

O papa mudou o dia de repouso do sétimo para o primeiro dia da semana. Ele imaginou mudar o próprio mandamento que foi dado para levar o homem a lembrar-se do seu Criador. Pensou mudar o maior mandamento do decálogo e assim fazer-se igual a Deus, ou mesmo exaltar-se acima de Deus. O Senhor é imutável, logo Sua lei é imutável; mas o papa exaltou-se acima de Deus ao procurar mudar Seus imutáveis preceitos de santidade, justiça e bondade. Ele tem tripudiado sobre o dia santificado de Deus, e, em sua própria autoridade, pôs em seu lugar um dos seis dias de trabalho. A nação inteira tem seguido após a besta, e cada semana rouba a Deus de seu santo tempo. O papa fez uma brecha na santa lei de Deus, mas eu vi que havia chegado o tempo para o povo de Deus fechar essa brecha e edificar os lugares assolados.

Supliquei diante do anjo para que Deus salvasse o Seu povo que se havia desviado, que o salvasse por amor de Sua graça. Quando as pragas começarem a cair, os que continuarem a transgredir o santo sábado não abrirão a boca para apresentar aquelas escusas que agora fazem para se considerarem livres de guardá-lo. Suas bocas estarão fechadas enquanto as pragas estão caindo e o grande Legislador reclamando justiça contra os que têm tido a Sua santa lei em desprezo e a têm considerado “uma maldição para o homem”, “lastimável”, e “sem solidez”. Quando sentirem os grilhões desta lei acorrentando-os, essas expressões aparecerão diante deles em caracteres vivos, e eles compreenderão o pecado de haverem desprezado esta lei, a qual a Palavra de Deus chama de “santa, justa e boa”.

Minha atenção foi então dirigida para a glória do Céu, para os tesouros acumulados para os fiéis. Tudo era amável e glorioso. Os anjos cantavam um cântico maravilhoso, depois paravam de cantar, tiravam as coroas de suas cabeças e as lançavam rutilantes aos pés do adorável Jesus, e com vozes melodiosas clamavam: “Glória, Aleluia!” Uni-me a eles em seus cânticos de louvor e honra ao Cordeiro, e toda a vez que eu abria a boca para louvá-Lo, experimentava um indizível senso de glória que me circundava. Era um eterno peso de glória mui excelente. Disse o anjo: “O pequeno remanescente que ama a Deus e guarda os Seus mandamentos e o que ficar fiel até o fim desfrutará esta glória e estará para sempre na presença de Jesus e cantará com os santos anjos.”

Então os meus olhos foram afastados da glória e foi-me indicado o remanescente na Terra. Disse-lhes o anjo: “Quereis escapar às sete últimas pragas? Quereis ir para a glória e desfrutar tudo que Deus tem preparado para os que O amam e estão dispostos a sofrer por Seu amor? Então tereis de morrer para que possais viver. Preparai-vos, preparai-vos, preparai-vos. Precisais ter maior preparo do que até agora, pois o dia do Senhor vem, terrível tanto em ira como em vingança, para desolar a Terra e destruir dela os pecadores. Sacrificai tudo a Deus. Deponde tudo sobre o Seu altar — o eu, a propriedade e tudo o mais — como um sacrifício vivo. Tudo é reclamado para entrar na glória. Acumulai para vós um tesouro no Céu, onde nem os ladrões roubam nem a ferrugem consome. Tereis de ser participantes dos sofrimentos de Cristo aqui, se esperais participar com Ele de Sua glória no além.”

O Céu terá sido barato se o obtivermos através do sofrimento. Precisamos negar o eu ao longo de todo o caminho, morrer para o eu diariamente, deixar que somente Jesus apareça e ter em vista continuamente a Sua glória. Vi que os que ultimamente têm abraçado a verdade terão que aprender o que é sofrer por amor de Cristo, que terão provas a suportar, provas que serão agudas e cortantes, a fim de que sejam purificados e pelo sofrimento capacitados a receber o selo do Deus vivo, a passar pelo tempo de angústia, ver o Rei em Sua formosura e estar na presença de Deus e de anjos santos, puros.

Ao ver o que precisamos ser para herdar a glória, e quanto Jesus havia sofrido para alcançar para nós tão rica herança, orei para que fôssemos batizados nos sofrimentos de Cristo, a fim de não recuarmos nas provas, mas sofrê-las com paciência e gozo, sabendo o que Jesus havia sofrido, para que por Sua pobreza e sofrimento fôssemos enriquecidos. Disse o anjo: “Negai-vos; precisais caminhar depressa.” Alguns de nós têm tido tempo de possuir a verdade e progredir passo a passo, e cada passo dado tem-nos propiciado força para o seguinte. Mas agora o tempo está quase findo, e o que durante anos temos estado aprendendo, eles terão de aprender em poucos meses. Terão também muito que desaprender e muito que tornar a aprender. Os que não receberam o sinal da besta e da sua imagem quando sair o decreto, terão que estar decididos a dizer agora: Não, não mostraremos estima pela instituição da besta.

Primeiros Escritos 64.1 - 67.2

Um apelo para o preparo pessoal

"Insisto em que vos prepareis para a vinda de Cristo nas nuvens do Céu. Dia a dia lançai fora do vosso coração o amor do mundo. Sabei por experiência própria o que significa ter comunhão com Cristo. Preparai-vos para o juízo, para que, ao vir Cristo, para Se fazer admirável em todos os que crêem, vós estejais entre os que O encontrarão em paz. Nesse dia os remidos brilharão na glória do Pai e do Filho. Tocando suas harpas de ouro, os anjos darão as boas-vindas ao Rei e aos Seus troféus de vitória — os que foram lavados e branqueados no sangue do Cordeiro. Um cântico de triunfo ressoará, enchendo todo o Céu. Cristo venceu. Ele penetra nas cortes celestes, acompanhado de Seus remidos, testemunhas de que a Sua missão de sofrimento e sacrifício não foi em vão." Testemunhos Selectos 3:432.

Ações de Neemias

Terça-feira, 29 de Outubro 

Os nobres e os oficiais foram repreendidos com estas palavras: “Sois usurários cada um para com seu irmão” (Neemias 5:7). Aparentemente, isto não trouxe os resultados desejados. Por isso, Neemias não parou por aí, mas continuou a lutar pelos oprimidos. Ele podia ter dito simplesmente que tinha tentado ensinar os líderes, mas que, como não tinha funcionado, tinha sido forçado a abandonar o problema. Afinal, ele estaria a enfrentar os ricos e poderosos da terra. Contudo, não ficou satisfeito até que fosse implementada uma solução para a dificuldade, mesmo que surgissem inimigos poderosos no processo. 

3. Leia Neemias 5:7-12. Quais foram os argumentos do líder contra o que estava a acontecer? O que usou Neemias para persuadir as pessoas a corrigir o erro? 

Neemias convocou uma grande assembleia – todo o povo de Israel foi reunido para resolver este assunto. Muito provavelmente ele estava a contar com a possibilidade de que, quando todo o povo estivesse presente, os líderes ficassem envergonhados, talvez até com medo de praticar este tipo de opressão. 

O argumento inicial estava centrado na escravidão. Muitos judeus (provavelmente Neemias estivesse incluído) tinham comprado a liberdade a compatriotas que tinham servido como escravos a estrangeiros. Então, ele perguntou aos nobres e oficiais se eles achavam aceitável comprar e vender os seus irmãos. Fazia sentido que os israelitas comprassem os seus compatriotas e os libertassem apenas para que eles se tornassem escravos de pessoas do seu próprio povo? 

Os líderes não deram resposta porque viram que este argumento era sensato. Neemias continuou: “porventura não andaríeis no temor do nosso Deus, por causa do opróbrio das nações, os nossos inimigos?” (Neemias 5:9). Depois, admitiu que ele mesmo tinha emprestado dinheiro e trigo ao povo. Ao declarar: “Deixemos este ganho.” (Neemias 5:10), ele confirmou a lei que proibia esta prática com os compatriotas hebreus e demonstrou que, sob o seu governo, ele gostava que as pessoas fossem solícitas umas com as outras. Surpreendentemente, a resposta foi unânime. Os líderes concordaram em restituir tudo ao povo. 

Já cometeu erros contra alguém? Provavelmente sim. Corrigiu a situação? Se não, o que o impede?

Nehemiah Acts

Tuesday, October 29


Seemingly, the rebuke to the nobles and rulers — “each of you is exacting usury from his brother” (Nehemiah. 5:7) — didn’t bring the desired results. Thus, Nehemiah did not stop there but continued to fight for the oppressed among them. He could have just said that he had tried to teach the nobles and rulers but it didn’t work, and so he was forced to drop the issue. After all, these were the rich and powerful of the land that he would be going up against. But he was not satisfied until a solution to the problem was implemented, even if he created powerful enemies in the process.

Read Nehemiah 5:7-12. What are Nehemiah’s arguments against what is going on? What does he use to persuade the people to right the wrong?

Nehemiah calls a great assembly — all of the people of Israel are brought together to deal with this matter. He is most likely counting on the possibility that when all the people are present, the leaders will be ashamed, perhaps even afraid to continue their oppression.

Nehemiah’s initial argument centers on slavery. Many of the Jews, most likely Nehemiah included, purchased freedom for other Jews in servitude to foreigners. Now, he asks the nobles and rulers whether they find it acceptable to buy and sell their own people. Does it make sense for the Israelites to buy Jews and give them freedom only to have them end up as slaves of their own people?

The leaders offer no response because they see that this argument is reasonable; therefore Nehemiah continues. He asks them, “Should you not walk in the fear of our God because of the reproach of the nations, our enemies?” (Nehemiah 5:9). Then, Nehemiah admits that he himself has been lending the people money and grain. By declaring “let us stop this usury” (Nehemiah 5:10), he affirmed the law that forbade this practice with fellow Hebrews and demonstrated that under his governorship, he would like people to be solicitous towards each other. Amazingly, the response is unanimous. The leaders agree to restore everything to the people.

Have you done wrong to anyone? Most of us, if honest, would have to answer “Yes”. What’s stopping you, in whatever degree possible, from making restitution, even now?

28.10.19

Against the Spirit of the Law

Monday, October 28


Read Nehemiah 5:6-8 (see also Exodus 21:2-7). Why does Nehemiah react in anger?

However difficult for us to grasp today, slavery was a cultural norm in the ancient world. A parent could either become a slave himself/herself or sell a child. Socially and legally, the parents had the right to sell their sons and daughters. However, since God is all about giving freedom, He regulated the practice in Israel by requiring creditors to release their slaves every seven years. Thus God protected people from becoming permanent slaves and demonstrated His desire for people to live freely.

Although lending was permitted by the law, charging interest was not (for biblical regulations against usury, see Exodus 22:25-27; Leviticus 25:36, 37; Deut. 23:19, 20). And yet, the interest that the lenders charged was small compared to what the nations around them charged. They were asked to pay one percent every month. Mesopotamian texts from the 7th century show interest of 50 percent for silver and 100 percent for grain annually. Thus, the 12 percent interest per year was low compared to the practice of the countries in Mesopotamia. But overall, according to God’s Word, the only thing the creditors did wrong was to charge interest (Nehemiah 5:10), and interestingly, the people didn’t even mention that in their grievance. Everything else was within the social norm as well as within the provisions of the law. So why is Nehemiah “very angry”? Remarkably, he doesn’t act right away, but gives the matter some serious thought.

The fact that Nehemiah deals with the issue so decisively is very admirable. He doesn’t leave a grievance alone just because it doesn’t technically break the law or is socially acceptable, even “nice” compared to the practices of the land. It was the spirit of the law that was transgressed in this situation. Especially during a time of economic hardship, it was the duty of the people to help each other. God is on the side of the oppressed and needy, and He had to commission prophets to speak against the evils and violence committed against the poor.

What are ways that, even unintentionally, we can follow the letter of the law while violating the spirit behind it? (See Micah 6:8).

Contrário ao Espírito da Lei

Segunda-feira, 28 de Outubro 

2. Leia Neemias 5:6-8 e Êxodo 21:2-7. Que situação despertou a fúria de Neemias? 

Por mais difícil que seja compreender, a escravidão era uma norma cultural no mundo antigo. Um pai ou mãe podia tornar-se escravo ou vender um(a) filho(a). Social e legalmente, os pais tinham o direito de vender os seus filhos e filhas. Contudo, visto que o propósito essencial de Deus é conceder liberdade, Ele regulou esta prática em Israel exigindo que os credores libertassem os seus escravos a cada sete anos. Por isso, o Senhor protegeu o povo para que não se tornasse escravo permanentemente e demonstrou o Seu desejo de que as pessoas vivessem livres. 

Embora o empréstimo fosse permitido pela lei, a cobrança de juros não era admitida (para as regras bíblicas contra a usura, veja Êxodo 22:25-27;
Levítico 25:36, 37; Deuteronómio 23:19, 20). No entanto, o juro cobrado pelos credores era pequeno se comparado ao que as nações ao redor cobravam. Era solicitado do povo o pagamento de 1% ao mês. Textos da Mesopotâmia do século 7 a.C. revelam uma cobrança de juros anuais de 50% para a prata e 100% para o trigo. Portanto, os 12% de juros anuais eram baixos em comparação com o praticado pelos países da Mesopotâmia. Mas, segundo a Palavra de Deus, o único erro dos credores foi cobrar juros (Neemias 5:10-12), e, curiosamente, o povo nem mencionou isto na sua queixa. Todo o restante estava conforme a norma social, bem como de acordo com as disposições da lei. Então, porque se indignou Neemias (Neemias 5:6)? Surpreendentemente, ele não agiu de imediato, mas ponderou seriamente sobre o assunto. 

O facto de Neemias ter lidado com o problema de maneira firme é algo admirável. Embora tecnicamente a injustiça não transgredia a Lei e era socialmente aceitável, ou até mesmo “boa” em comparação com as práticas da região, ele não a ignorou. O espírito da Lei tinha sido quebrado nesta situação. Especialmente durante um período de dificuldades económicas, era dever do povo que se ajudassem uns aos outros. Deus está do lado dos oprimidos e necessitados, e Ele teve que comissionar profetas para falar contra os males e a violência cometidos contra os pobres. 

Como podemos, mesmo sem querer, obedecer à letra da Lei enquanto transgredimos o espírito que está por trás dela? (Veja Miqueias 6:8)

A Queixa do Povo

Domingo, 27 de Outubro 

1. Leia Neemias 5:1-5. O que estava a acontecer? Contra o que estava o povo a clamar? 

Sob a liderança de Neemias, a comunidade judaica parecia estar unida contra as pressões externas. Mas nem tudo estava bem com a nação que enfrentava perseguição e se defendia de ataques estrangeiros. Apesar da aparência externa de força e resistência e dos coerentes esforços contra o inimigo, a comunidade estava destruída por dentro. Os líderes e os ricos estavam a usar os pobres e desfavorecidos para o seu próprio benefício, e a situação tinha-se tornado tão má que as famílias estavam a clamar por alívio. Algumas delas diziam que não tinham comida para alimentar os seus filhos; alguns queixavam-se de que, por causa da fome, tinham hipotecado a sua propriedade e agora não tinham nada; outras famílias lamentavam que precisavam pedir dinheiro emprestado para pagar o imposto persa. Além disso, os seus próprios filhos tinham- se tornado escravos. 

Parece que as principais causas do problema eram a fome e o pagamento dos impostos, que fizeram com que as famílias mais pobres buscassem a ajuda dos seus vizinhos. O governo persa exigia anualmente da província de Judá um imposto de 350 talentos de prata. Se uma pessoa não pudesse pagar a parte designada do imposto obrigatório, a família geralmente hipotecava a sua propriedade ou pedia dinheiro emprestado. Se, no entanto, eles não obtivessem o dinheiro no ano seguinte, tinham que fazer algo sobre a dívida que agora possuíam. Geralmente, a escravidão era a opção seguinte. Eles já tinham perdido a sua propriedade e então tinham que mandar alguém da família, geralmente os filhos, para que prestassem serviço ao credor para liquidar a dívida. 

Há momentos na vida em que as consequências das nossas ações deixam-nos em apuros; também há momentos em que acabamos por ficar doentes ou passamos por dificuldades financeiras sem que tenhamos culpa nenhuma. A história acima fala de uma época em que as políticas governamentais desfavoreciam o povo, levando-o à intensificada pobreza e envolvendo-o numa espiral de pobreza cada vez mais profunda, da qual não se podia escapar. 

É impressionante que naquela época as pessoas já tivessem que lutar contra a opressão económica, tal como hoje. A Bíblia aborda com frequência o assunto da exploração dos pobres. Que mensagem devemos extrair disso?

Transgredindo o Espírito da Lei

Lição 5, 26 de Outubro a 01 de Novembro 


Sábado à tarde 

VERSO PARA MEMORIZAR: “Restituí-lhes hoje, vos peço, as suas terras, as suas vinhas, os seus olivais e as suas casas, como também o centésimo do dinheiro, do trigo, do vinho e do azeite, que exigistes deles.” Neemias 5:11 

LEITURAS DA SEMANA: Neemias 5:1-5; 5:7-12; 5:14-19; Êxodo 21:2-7; Miqueias 6:8; Deuteronómio 23:21-23 

Até hoje lutamos com a questão da riqueza, da pobreza e da desigualdade entre ricos e pobres e o que pode ser feito a respeito disso. Jesus disse que sempre teríamos os pobres conosco (Mateus 26:11), mas isto não é uma desculpa para não fazermos nada para os ajudar. Pelo contrário, as Escrituras advertem-nos para fazer a nossa parte no auxílio aos necessitados de acordo com as nossas possibilidades. Caso contrário, não podemos ser chamados cristãos. 

É impressionante o aparecimento deste tema, no meio das provações e tribulações dos exilados que retornaram para reconstruir Jerusalém. E não apenas o assunto da pobreza e dos pobres, mas a questão ainda mais problemática dos ricos que os oprimiam. Este já era um problema anterior ao exílio, e então, com o retorno à terra, ele reapareceu. 

Nesta semana vamos observar outra manifestação deste antigo tema e como Neemias reagiu. Como veremos, o que tornava esta opressão ainda pior era o facto de estar a ser feita dentro da “letra da lei”, por assim dizer, um poderoso exemplo de como precisamos ter cuidado para não deixar que regras e regulamentos se tornem um fim em si mesmos, mas um meio para um fim, que é refletir o caráter de Jesus.

27.10.19

Joe Rogan Experience #1368 - Edward Snowden

NASA Chief Believes Pluto is a Planet

People’s Grievance

Sunday, October 27


Read Nehemiah 5:1-5. What is happening here? What are the people crying out against?

The Jewish community seems to be united under Nehemiah’s leadership against the outside pressures. But all is not well within the nation that is standing up to persecution and defending itself from foreign assaults. Despite the outward appearance of toughness and cohesive efforts against the enemy, the community is broken inside. The leaders and the rich have been using the poor and underprivileged for their own gain, and the situation has become so bad that the families are crying out for relief. Some families were saying that they did not have any food to feed their children; some were crying out that because of a famine they had mortgaged their property and now had nothing; other families moaned that they had to borrow money for the Persian tax and even their children were slaves.

It appears that the main culprit of the trouble was a famine and tax payments that caused the poorer families to seek help from their neighbors. The Persian government required a tax of 350 talents of silver annually from the province of Judah (see note on Nehemiah 5:1-5 in the Andrews Study Bible, p. 598). If a person couldn’t pay the designated portion of the mandatory tax, the family would usually mortgage their property or borrow money first. If, however, they couldn’t earn the money the next year, then they had to do something about the debt they now owed. Usually debt slavery was the next option. They had already lost their land, and now they had to send someone from the family, usually children, to be in the service of the creditor in order to work off the debt.

There are times in life when we find ourselves in trouble because of the consequences of our own actions; of course, there are also times when we end up sick or in financial straits due to no fault of our own. The story above recounts a time when government policies disadvantaged the people, leading to intensified poverty. They were caught in the spiral of deepening poverty, with no way out.

How fascinating that then, as now, people struggle with economic oppression. What message should we take from the fact that this is a topic the Bible often addresses?

26.10.19

Violating the Spirit of the Law

Lesson 5, October 26 - November 1


Sabbath Afternoon


Memory Text: “Restore now to them, even this day, their lands, their vineyards, their olive groves, and their houses, also a hundredth of the money and the grain, the new wine and the oil, that you have charged them.” Nehemiah 5:11

To this day, we humans struggle with the question of wealth, poverty, and the gap between the rich and the poor and what can be done about it. Yes, Jesus said that “you have the poor with you always” (Matthew 26:11), but that’s hardly an excuse to do nothing about helping them. On the contrary, Scripture admonishes us to do our part to help. We can barely call ourselves Christians otherwise.

How fascinating, too, that even amid the trials and tribulations of the returned exiles in rebuilding Jerusalem, this theme appears, not just that of poverty and the poor, but that of the even more problematic question of the rich oppressing the poor. This was a problem before the exile, and now, even back in their own land, it reappears.

This week we will see another manifestation of this age-old theme, and how Nehemiah worked to deal with it. As we will see, what made this oppression even worse was that it was being done within “the letter of the law”, so to speak, a powerful example of how we need to be careful not to let rules and regulations become an end in and of themselves rather than a means to an end, which is to reflect the character of Jesus.

25.10.19

“Facing Opposition” (4 of 13) by Pastor Mike Thompson

Doug Batchelor - Facing Opposition

Estudo Adicional 25.10.19

Sexta-feira, 25 de Outubro 

Textos de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 635-660 (“Os Reconstrutores do Muro”, “Condenada a Extorsão” e “Ciladas dos Pagãos). 

“A oposição e o desencorajamento que os reconstrutores nos dias de Neemias tiveram que enfrentar da parte de inimigos declarados e falsos amigos são típicos da experiência dos que trabalham hoje para Deus. Os cristãos são provados, não somente pela ira, desprezo e crueldade de inimigos, mas pela indolência, inconstância, frouxidão e deslealdade de pretensos amigos e auxiliares.” Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 644 

“Na firme devoção de Neemias à obra de Deus, e na sua confiança igualmente firme em Deus, está a razão da derrota dos seus inimigos em atraí-lo ao seu poder. A pessoa indolente facilmente cai presa da tentação; mas na vida que tem alvo nobre, propósito envolvente, o mal encontra pouco terreno. A fé de quem está constantemente a avançar não se debilita; pois acima, embaixo e além, ele reconhece o Infinito Amor a promover todas as coisas para realização do Seu bom propósito. Os verdadeiros servos de Deus trabalham com determinação que não falhará, porque estão na constante dependência do trono da graça.” Profetas e Reis, p. 660 

Perguntas para discussão: 

1. Coloque-se no lugar de Zorobabel, Josué e os outros líderes quando os seus inimigos ofereceram ajuda. Eles fizeram bem em não aceitar a oferta. Como podemos saber quando devemos colaborar com outros que não são da nossa fé? Que critérios devemos seguir? 

2. É perigoso fazer concessões em relação à fé. A história de Israel até ao cativeiro babilónico traz exemplos de transigência. Porém, o que ocorre quando alguns vão a extremos para evitar este problema? Jesus foi ­acusado de transgredir o Sábado (João 9:14-16). Os Seus acusadores não foram ao outro extremo, ao desejar matá-lo por causa das curas feitas no Sábado? Como podemos encontrar o equilíbrio? 

Estudo Adicional - Comentários 

- Profetas e Reis, “Os reconstrutores do muro”, p. 635-645. 

- A Ciência do Bom Viver, “Buscar o verdadeiro conhecimento”, p. 451-457.

Bellas Palabras de Vida

Further Thought 25.10.19

Friday, October 25



“The opposition and discouragement that the builders in Nehemiah’s day met from open enemies and pretended friends is typical of the experience that those today will have who work for God. Christians are tried, not only by the anger, contempt, and cruelty of enemies, but by the indolence, inconsistency, lukewarmness, and treachery of avowed friends and helpers.” Ellen G. White, Prophets and Kings, p. 644

“In Nehemiah’s firm devotion to the work of God, and his equally firm reliance on God, lay the reason of the failure of his enemies to draw him into their power. The soul that is indolent falls an easy prey to temptation; but in the life that has a noble aim, an absorbing purpose, evil finds little foothold. The faith of him who is constantly advancing does not weaken; for above, beneath, beyond, he recognizes Infinite Love, working out all things to accomplish His good purpose. God’s true servants work with a determination that will not fail because the throne of grace is their constant dependence.” Page 660

Discussion Questions:

Put yourself in the position of Zerubbabel and Jeshua and the other leaders when those men came to them with the offer of help. Looking back now, we can see that they did the right thing by not accepting that offer. As Adventists, how can we know when we should and should not collaborate with others not of our faith? How do we decide if it is right or wrong? What criteria can we follow?

All through biblical history we see the dangers of compromising our faith with the world. Indeed, the whole history of ancient Israel, right up to the Babylonian captivity, was a powerful example of this compromise. At the same time, what happens when people go to extremes in trying to avoid that danger? When Jesus Himself was accused of violating the Sabbath (see John 9:14-16), do we not have a powerful example of His accusers going to the other extreme? How do we find the right balance?

24.10.19

Anulando a operação do Espírito Santo

Fazer Uma “Grande Obra” - Comentários

“Sambalate e os seus companheiros não ousavam guerrear abertamente contra os judeus, mas com crescente maldade continuaram os seus esforços secretos para os desencorajar, perturbar e prejudicar. O muro ao redor de Jerusalém estava prestes a ser concluído. Quando estivesse pronto e as suas portas estivessem colocadas no lugar, estes inimigos de Israel já não seriam capazes de forçar a entrada na cidade. Por isso, eles estavam ansiosos para impedir o trabalho o mais depressa possivel. Por fim, imaginaram um plano pelo qual esperavam afastar Neemias do seu posto. Quando ele estivesse nas suas mãos, podiam matá-lo ou prendê-lo. 

Com o pretexto de conseguir um acordo entre as partes em oposição, procuraram ter uma reunião com Neemias e convidaram-no para se encontrar com eles num vilarejo na planície de Ono. Neemias, porém, iluminado pelo Espírito Santo quanto ao real objetivo que tinham em vista, recusou. Ele escreveu: “Enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou a fazer grande obra, de modo que não poderei descer; porque cessaria a obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?” (Neemias 6:3). Os tentadores, no entanto, foram persistentes. Quatro vezes enviaram mensageiros com a mesma missão e quatro vezes receberam idêntica resposta.” Profetas e Reis, p. 653, 654 

“Todo o artifício que o príncipe das trevas possa sugerir será usado para levar os servos de Deus a formar uma união com os agentes de Satanás. Chegarão diversas solicitações para tirá-los do dever. Mas, tal como Neemias, devem responder com firmeza: “Estou a fazer grande obra, de modo que não poderei descer” (Neemias 6:3). Os obreiros de Deus podem manter-se a salvo com a sua tarefa, permitindo que os seus esforços refutem as falsidades que a maldade possa criar para os prejudicar. Como os construtores dos muros de Jerusalém, devem recusar ser desviados da sua obra por ameaças, zombaria ou falsidade. Nem por um momento sequer devem abrandar a sua atenção ou vigilância, pois os inimigos estão sempre no seu encalço. Devem orar continuamente a Deus e colocar uma “guarda contra eles, de dia e de noite” (Neemias 4:9). 

Ao aproximar-se o tempo do fim, as tentações de Satanás serão dirigidas com maior poder contra os obreiros de Deus. Ele usará agentes humanos para insultar e desanimar os que “edificam o muro”. Mas se os edificadores descerem para enfrentar os ataques dos seus inimigos, isso apenas contribuirá para atrasar a obra. Devem procurar derrotar os objetivos dos seus adversários, mas não devem permitir que coisa alguma os desvie da sua tarefa. A verdade é mais forte do que o erro, e o que é correto prevalecerá sobre a injustiça.” Profetas e Reis, p. 659 

“A glória de Deus revela-se nas obras das Suas mãos. Eis aqui mistérios cujo exame fortalecerá a mente. As mentes que têm sido distraídas e abusadas pela leitura de ficção poderão ter na natureza um livro aberto e ler a verdade nas obras de Deus, que as rodeiam. Todos poderão achar temas para estudo na simples folha da árvore da floresta. A haste da grama que cobre a terra com o seu verde tapete de veludo, as plantas e flores, as majestosas árvores da floresta, as montanhas altaneiras, as rochas de granito, o oceano revolto, as preciosas gemas de luz que enfeitam os céus para embelezar a noite, as inesgotáveis riquezas da luz solar, as solenes glórias da lua, o frio hibernal, o calor do verão, as estações que mudam e se repetem em perfeita ordem e harmonia, controladas pelo poder infinito; eis assuntos que exigem profunda meditação para desenvolver a imaginação.” Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 581

Fazer Uma “Grande Obra”

Quinta-feira, 24 de Outubro 

8. Leia Neemias 6:1-13. Porque via Neemias o seu trabalho em Jerusalém como uma “grande obra” (Neemias 6:3)? Quais foram as tentativas para o deter? 

O capítulo 6 de Neemias descreve muitos atentados contra a vida do servo de Deus. Sambalate e Gesém continuaram a enviar cartas a Neemias para o levar a procurá-los sob o pretexto de uma reunião. No entanto, o encontro devia ocorrer na planície de Ono, que estava em território inimigo. Neemias percebeu a verdadeira intenção do convite. Sambalate, Tobias e Gesém viram uma janela de oportunidade que duraria apenas até que o muro fosse concluído, e os portões, fechados. Os judeus tinham a proteção do rei persa e, por isso, os seus inimigos não podiam vencê-los com um ataque frontal. Mas, se estes inimigos se livrassem do líder, impediriam o progresso da obra ou, até mesmo, provocariam a sua interrupção definitiva. Sambalate, Tobias e Gesém não desistiram. Mesmo que Neemias não respondesse, eles continuaram a tentar. Deve ter sido frustrante para o servo de Deus ter que lidar com a oposição a cada momento. Ele respondeu-lhes: “Estou a fazer uma grande obra” (Neemias 6:3). 

Pelos padrões do mundo, Neemias estava a fazer uma grande obra como copeiro do rei, visto que essa era uma ocupação de prestígio, uma das mais importantes da terra, em que ele servia como conselheiro do rei. Mas qual seria o propósito de construir uma cidade que estava em ruínas, que não tinha nenhuma importância aparente? Isto era o que ele chamava grande obra? Neemias considerou a obra de Deus grande e mais importante do que a sua carreira porque percebeu que a honra do nome de Deus estava em jogo em Jerusalém. 

Além disso, quando Deus estabeleceu os serviços do santuário, Ele instituiu o sacerdócio. Para manter o santuário santo e especial para as pessoas, Ele permitiu que apenas os sacerdotes realizassem os deveres dentro do templo. Temos dificuldade de ver a santidade de Deus; por isso, Ele tomou providências para ajudar os israelitas a entrar na Sua presença com reverência. Neemias sabia que o pátio do templo era para todos, mas não os aposentos interiores. Pelas suas palavras acerca do encontro no interior do templo, Semaías não só se mostrou falso profeta, sugerindo algo contrário à ordem de Deus, mas também se expôs como traidor. 

Hoje, sem o santuário terrestre, como podemos manter o senso da santidade divina? De que modo a percepção da santidade de Deus, em contraste com a nossa pecaminosidade, nos leva à cruz?

Doing a “Great Work”

Thursday, October 24


Read Nehemiah 6:1-13. Why does Nehemiah see the work he is doing in Jerusalem as a “great work” (Nehemiah 6:3)? What were the attempts in this case to stop him?

Chapter 6 describes many attempts on Nehemiah’s life. Sanballat and Geshem kept sending Nehemiah letters in order to get him to come to them under the pretext of a meeting. However, the meeting was in the plain of Ono, which was in enemy territory, and thus gave away the true intent of the invitation. Sanballat, Tobiah, and Geshem see a window of opportunity that will last only until the wall is finished and the gates are shut. The Jews have the protection of the Persian king, and therefore their enemies cannot conquer them through a full-frontal attack. But if they get rid of the leader, they will stunt the progress or perhaps even stop the Jews forever. They are not giving up. Even if Nehemiah is not responding, they keep trying. It must have been frustrating to Nehemiah to have to deal with opposition at every turn. He responds to them by stating, “I am doing a great work” (Nehemiah 6:3).

By the world’s standards, Nehemiah was doing a great work as a cupbearer for the king, which was a prestigious occupation, one of the highest in the land where he served as an advisor to the king. But building a city that was in ruins, that had no apparent worldly significance? That’s what he calls a great work? Nehemiah considered the work for God as “great” and more important because he realized that the honor of God’s name was at stake in Jerusalem.

Also, when God set up the sanctuary services, He instituted the priesthood. In order to keep the sanctuary holy and special in the minds of the people, He allowed only the priests to perform the duties inside the temple. On our own, we have a hard time seeing the holiness of God; therefore, God made provision to help the Israelites come into the presence of God with reverence. Nehemiah knew that temple courts were for everyone, but not the inner rooms. By his words, about meeting inside the temple, Shemaiah not only shows himself to be a false prophet by suggesting something that was contrary to God’s directive, but also exposes himself as a traitor.

What are ways that we, today, with no earthly sanctuary, can keep before us a sense of God’s holiness? How does the realization of God’s holiness, in contrast to our sinfulness, drive us to the cross?

23.10.19

Russia's Mysterious Dome of Light Nuclear Test

The Greatest Deception of WW2: Operation Fortitude

Neemias Age (444 a.C.) - Comentários

“A restauração das defesas de Jerusalém não prosseguia sem embaraços. Satanás estava a trabalhar para suscitar oposição e levar ao desencorajamento. […] Mas descrédito e ridículo, oposição e ameaças, pareciam apenas inspirar Neemias com mais firme determinação, e despertá-lo para maior vigilância. Ele reconheceu os perigos que tinha que enfrentar nesta luta com os seus inimigos, mas a sua coragem foi indomável. “Nós oramos ao nosso Deus”, declarou ele, “e pusemos uma guarda contra eles de dia e de noite.” 

Ao lado de Neemias ficava um trombeteiro, e nos diferentes pontos do muro foram colocados sacerdotes portando trombetas sagradas. O povo foi espalhado nas suas atividades; mas no caso de aproximação de perigo em qualquer ponto, era dado um sinal para que acorressem a reparar ali sem mais demora. “Assim trabalhamos na obra”, diz Neemias; “e metade deles tinha as lanças desde a subida da alva até ao sair das estrelas” (Neemias 4:21). […] Neemias e os seus companheiros não se esquivaram às dificuldades nem ao serviço árduo. Nem de dia e nem de noite, nem mesmo nos curtos períodos concedidos para o sono, eles tiraram as suas vestes nem abandonaram as suas armas.” Vidas Que Falam [MM 1971], p. 266 

“No entanto, como Neemias, o povo de Deus não deve temer, muito menos desprezar os seus inimigos. Colocando a sua confiança em Deus, devem prosseguir firmemente, fazendo a Sua obra com altruísmo e pedindo a Sua providência para a causa que apoiam. 

No meio de profundo desânimo, Neemias fez de Deus a sua defesa segura, pondo Nele a sua confiança. E Aquele que foi então o apoio do Seu servo tem sido a confiança do Seu povo em todos os séculos. Em cada crise, o povo do Senhor pode declarar confiantemente: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Romanos 8:31) 

Por mais astutas que sejam as ciladas de Satanás e dos seus agentes, Deus pode detê-las, anulando todos os seus conselhos. A resposta da fé, hoje, deve ser a mesma que Neemias deu: “Nosso Deus pelejará por nós” (Neemias 4:20), pois Ele está no trabalho, e ninguém poderá impedir o seu sucesso final.” Profetas e Reis, p. 645 

“Através do estudo das Escrituras e de fervorosa oração, busquem obter percepções claras do seu dever, e depois cumpram-no fielmente. É essencial que cultivem fidelidade nas pequeninas coisas e, assim fazendo, formarão hábitos de integridade nas responsabilidades maiores. […] A mente precisa ser exercitada pelas provas diárias, para adquirir vigor para resistir em qualquer situação difícil. Nos dias de prova e de perigo, necessitarão estar fortalecidos para ficar firmes ao lado do direito, a despeito de toda a influência contrária. 

Deus está disposto a fazer muito por vós, uma vez que tão somente sintam a vossa dependência Dele. Jesus ama-os. Procurem andar sempre à luz da sabedoria divina; e no meio a todas as mutáveis circunstâncias da vida, não descansem a menos que saibam que a vossa vontade se acha em harmonia com a vontade do vosso Criador.” Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 561

Neemias Age (444 a.C.)

Quarta-feira, 23 de Outubro 

7. Leia Neemias 4. O que fizeram os judeus sob a liderança de Neemias para enfrentar a oposição? Porque era importante que eles se preparassem para lutar, em vez de simplesmente não fazerem nada, acreditando que Deus os protegeria? 

Depois de inícios e interrupções, o povo começou a trabalhar outra vez. Os judeus oraram e, então, Neemias organizou uma vigilância ativa. O povo fazia turnos durante o dia e à noite para estar preparado para qualquer ataque iminente. Neemias também organizou as pessoas ao redor do muro, munindo-as com armas, para que cada família estivesse pronta para lutar. Além disso, ele dividiu os seus servos em dois grupos: um trabalhava, e o outro segurava armas. Havia também provisões especiais para todos os que trabalhavam no muro, pois estes encontravam-se mais próximos do perigo. Cada construtor segurava uma espada com uma mão e com a outra acrescentava tijolos ou pedras e argamassa ao muro. Eles estavam preparados para enfrentar a oposição. Fizeram a parte deles; o Senhor fez o resto. A fé de Neemias na proteção divina é inspiradora. No entanto, ele não ficou sentado há espera que Deus fizesse tudo. Eles prepararam-se da melhor maneira que puderam. 

Entre as declarações mais inspiradoras da Bíblia estão duas passagens de Neemias: “Não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa” (Neemias 4:13, 14); “O nosso Deus pelejará por nós” (Neemias 4:19, 20).

Os judeus podiam ter parado a construção outra vez por causa da oposição persistente, mas, em vez de serem dominados pelo medo, agarraram-se à promessa de que Deus pelejaria por eles. Quando encontramos oposição ao nome do Senhor, às nossas crenças ou ao que o Criador nos chama a fazer, devemos lembrar-nos de que “Deus pelejará por nós”. 

No fim, os judeus perceberam que o Senhor estava por trás do que eles estavam a fazer, e isso deu-lhes coragem para seguir em frente. 

Porque é tão importante ter a convicção de que estamos a fazer a vontade de Deus? Como podemos saber se o que estamos a fazer é a vontade do Senhor?
-->

Nehemiah Takes Action (444 B.C.)

Wednesday, October 23


Read Nehemiah 4. What did the Jews do under Nehemiah’s leadership to stand up to opposition? Why was it important for them to prepare themselves to fight, rather than just do nothing, believing that God would protect them?

After starts and stops, the people began working again. The Jews prayed, and then Nehemiah set up an active guard. The people rotated through shifts during the day and nighttime in order to be prepared for any looming attacks. Nehemiah also organized the people around the wall with weapons so that each family was ready to fight. Additionally, he divided his servants into two groups, with one working and the other holding weapons. There were also special provisions for all those who worked on the wall, as they were closest to the danger. Each one of the builders held a sword with one hand and with the other added bricks/stones and mortar to the wall. They were prepared to face the opposition. They did their part; God did the rest. Nehemiah’s faith in God’s protection is inspiring. However, he didn’t sit on the couch and expect God to do everything. They prepared to the best of their abilities.

The two passages, “Do not be afraid of them. Remember the Lord, great and awesome, and fight for your brethren, your sons, your daughters, your wives, and your houses” (see Nehemiah 4:13, 14), and “Our God will fight for us” (see Nehemiah 4:19, 20) are some of the most inspirational statements found in the Bible.

The Jews could have stopped building once again because of the persistent opposition, but, this time, instead of being overcome by fear, they held onto the promise that God would fight for them. When we encounter opposition for the name of God, for our beliefs, or for what God calls us to do, we should remember that “God will fight for us”.

In the end, the Jews realized that the Lord was behind what they were doing, and this gave them the courage to press on ahead.

Why is it so important to know that what you are doing is God’s will? Thus, an important question to ask is: How do I know if what I am doing is God’s will?

22.10.19

Interrupção da Obra - Comentários

“’Todavia o povo da terra debilitava as mãos do povo de Judá, e inquietava-os no edificar. […] e os impediram à força e com violência.’ (Esdras 4:4, 23). O Senhor, porém, interveio a favor dos fiéis construtores. […] 

No decorrer da história do povo de Deus, grandes montanhas de dificuldades aparentemente invencíveis têm-se levantado diante dos que procuram executar os propósitos do Céu. Tais obstáculos ao progresso são permitidos pelo Senhor como uma prova de fé. Quando somos apertados de todos os lados, é tempo de, mais do que nunca, confiar em Deus e no poder do Seu Espírito. O exercício de uma fé viva significa aumento de força espiritual e desenvolvimento de firme confiança. É assim que a pessoa se torna um poder conquistador. Perante as exigências da fé, os obstáculos postos por Satanás no caminho do cristão desaparecerão, pois os poderes do Céu virão em seu auxílio. ‘Nada vos será impossíve’” Mateus 17:20; Profetas e Reis, p. 594, 595 

“João sentiu-se perturbado por ver que, pelo amor que lhe tinham, os seus discípulos estavam a nutrir incredulidade a respeito de Jesus. Teria acaso sido infrutífero o seu trabalho a favor deles? Teria sido infiel na sua missão, para ser então excluído do labor? Se o Libertador tinha aparecido, e João se provara fiel à sua vocação, não havia Jesus de derribar agora o poder do opressor e libertar o Seu arauto? 

Mas o Batista não abandonou a sua fé em Cristo. A lembrança da voz do Céu e da pomba que desceu, da imaculada pureza de Jesus, do poder do Espírito Santo que sobre ele próprio repousara ao encontrar-se na presença do Salvador, e do testemunho das escrituras proféticas – tudo testificava de que Jesus de Nazaré era o Prometido.” O Desejado de Todas as Nações, p. 216 

“Quando os pensamentos estão concentrados no próprio eu, eles afastam-se de Cristo, a fonte de vida e poder. Por isso, Satanás empenha-se em fazer com que as pessoas desviem o pensamento do Salvador, evitando a união e a comunhão do ser humano com Cristo. Os prazeres do mundo, as preocupações, perplexidades e tristezas da vida, as falhas dos outros, ou as próprias falhas e imperfeições – todas estas coisas são por ele utilizadas para desviar o pensamento do Salvador. Não se deixe enganar por essas armadilhas! Muitas pessoas que são realmente cuidadosas, e que desejam viver para Deus, também são por ele levadas a pensar nas próprias faltas e fraquezas. Assim fazendo, ele consegue separá-las de Cristo e obter a vitória. Não devemos fazer de nós mesmos o centro, dando lugar à ansiedade e ao medo […] Tudo isso afasta o coração da fonte da nossa força. Fale de Jesus; pense Nele. Que o próprio eu se perca Nele. Afaste toda dúvida; esqueça os seus temores. […] Descanse em Deus. Ele pode guardar aquilo que Lhe confiou. Colocando-se nas Suas mãos, Ele fará com que seja mais do que vencedor por Aquele que o amou.” Caminho a Cristo, p. 71, 72

Interrupção da Obra

Terça-feira, 22 de Outubro 

5. Em Esdras 4:6-24, o que fizeram os inimigos para interromper a obra em Jerusalém? 

As “gentes da terra” escreveram cartas de acusação contra os judeus e a sua obra primeiro a Dario (Esdras 5 e 6), depois a Xerxes (Assuero) e a Artaxerxes. Elas estavam a fazer tudo ao seu alcance para impedir a obra em Jerusalém. 

O povo das nações vizinhas declarou que, se a cidade fosse reconstruída, o rei perderia o seu poder sobre ela, pois Jerusalém sempre tinha sido um local de rebelião e problemas. Infelizmente, Artaxerxes foi levado a crer que os judeus estivessem a construir apenas porque queriam obter a sua independência e, assim, incitar o confronto. Ele ordenou que o trabalho fosse interrompido, e o povo enviou um exército para impedir a reconstrução da cidade. Esta abordagem violenta fez com que a obra de Deus parasse. 

6. Leia Esdras 4:23, 24. Porque pararam os judeus a construção? Eles não sabiam que Deus desejava que eles reconstruíssem a cidade? O que os atrapalhou? 

Evidentemente, os judeus perceberam que Deus os tinha chamado para reconstruir a cidade e o templo, mas, por causa da forte oposição, eles tiveram medo. Talvez tenham inventado desculpas como “agora não deve ser a hora”, ou “se isto fosse realmente o que Deus desejava que fizéssemos, Ele teria providenciado um meio”, ou ainda “talvez nem devíamos ter voltado para cá”. Quando a oposição nos impede de fazer o que acreditamos ser o chamado de Deus para nós, temos a tendência de questionar a orientação divina e duvidar dela. Podemos facilmente convencer-nos de que cometemos um erro. O medo pode paralisar a nossa mente, e os pensamentos transformam-se em desespero e desamparo, em vez de nos concentrarmos no poder de Deus. 

Já viveu uma situação em que estava convencido de que Deus o tinha chamado para fazer algo, mas teve dúvidas quando as coisas ficaram difíceis? (Pense, por exemplo, em João Batista.) O que aprendeu com essa experiência?

Work Stoppage

Tuesday, October 22


What did the “enemies” do in Ezra 4:6-24 in order to stop the work in Jerusalem?

The “people of the land” wrote letters of accusation against the Jews and their work first to Darius (Ezra 5 and 6), then to King Xerxes (Ahasuerus) as well as Artaxerxes. They were doing everything in their power to stop the work in Jerusalem.

The people of the surrounding nations claimed that if the city were rebuilt, the king would lose his power over it because Jerusalem had always been a place of rebellion and trouble in the past. Unfortunately, King Artaxerxes was swayed into believing that the Jews were building only because they wanted to gain their independence and therefore incite confrontation. He ordered the work to cease, and the people sent an army to prevent further building of the city. This forceful approach brought the work for God to a halt.

Read Ezra 4:23, 24. Why did the Jews stop building? Didn’t they know that God wanted them to rebuild the city? What got in the way?

It is apparent that the Jews realized that God had called them to rebuild the city and the temple, but because of the strong opposition, they were afraid. Perhaps they came up with excuses such as “Now must not be the right time”, or “If this were truly what God wanted us to do, He would have provided a way”, or “Maybe we weren’t supposed to come back here at all”. When opposition gets in the way of doing what we believe God calls us to do, we have the tendency to question and doubt God’s guidance. We can easily convince ourselves that we made a mistake. Fear can paralyze our minds, and our thoughts turn to despair and helplessness instead of being focused on the power of God.

Have you experienced something similar, being convinced that God had called you to do something and, then, harboring doubts when things got hard? (Think, for instance, about John the Baptist). What have you learned from that experience?

21.10.19

A Verdade sobre o Inferno - The Truth About Hell

Os Profetas Encorajam - Comentários

“Com os campos devastados, as reservas escassas de provisões a esgotar-se rapidamente e rodeados por povos hostis, ainda assim os israelitas prosseguiam com fé, em resposta ao apelo dos mensageiros de Deus, e trabalhavam diligentemente para restaurar o templo arruinado. Era uma obra que requeria uma firme confiança em Deus. Enquanto o povo se esforçava para fazer a sua parte, procurando uma renovação da graça de Deus no coração e na vida, era dada mensagem após mensagem por intermédio de Ageu e Zacarias, com a certeza de que a sua fé seria ricamente recompensada e de que a Palavra de Deus sobre a futura glória do templo, cujas paredes eles estavam a reparar, não falharia. Neste mesmo edifício apareceria, na plenitude do tempo, o Desejado de todas as nações como o Mestre e Salvador da humanidade.

Assim, os construtores não foram deixados a lutar sozinhos; estavam “com eles os profetas de Deus, que os ajudavam” (Esdras 5:2); e o Senhor dos Exércitos tinha declarado: “Esforçai-vos […] e trabalhai; porque Eu sou convosco.” Ageu 2:4; Profetas e Reis, p. 577

“O Senhor diz hoje aos Seus filhos: “Esforçai-vos […] e trabalhai; porque Eu sou convosco” (Ageu 2:4). Os cristãos sempre encontram no Senhor um apoio forte. Podemos não conhecer a Sua maneira de nos ajudar; mas uma coisa sabemos: o Senhor jamais abandona aqueles que Nele põem a sua confiança. Se os cristãos soubessem quantas vezes o Senhor preparou o seu caminho, para que a vontade do inimigo a respeito deles não se realizasse, não andariam a tropeçar e a queixar-se. A sua fé estaria firme em Deus e nenhuma provação teria poder para os abalar. Eles O reconheceriam como a sua sabedoria e eficiência, e Ele poderia realizar aquilo que deseja através deles.

As fervorosas súplicas e palavras de encorajamento enviadas através de Ageu receberam uma ênfase adicional através de Zacarias, a quem Deus suscitou para o apoiar nos apelos feitos a Israel para que executasse a ordem de se levantar e edificar. A primeira mensagem de Zacarias foi uma garantia de que a Palavra de Deus nunca falha e uma promessa de bênção aos que dessem ouvidos à segura palavra da profecia.” Profetas e Reis, p. 576

“A promessa é: “Fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes, com a tentação dará também o escape” (1 Coríntios 10:13). Mantenham até ao fim a vossa integridade cristã, e não murmurem contra Deus. [...] Considerem que estão envolvidos nisso interesses eternos. Não podem arriscar-se a desanimar e perder a confiança. O Senhor ama-os, confiem no Senhor! O Senhor Jesus é a sua única esperança. Façam trabalho seguro para a eternidade. Não devem murmurar nem queixar-se ou condenar. Não negligenciem nenhum meio da graça. Animem o espírito a crer e confiar em Deus.

No Senhor temos justiça e fortaleza. Apoiemo-nos Nele, e através do Seu poder poderemos apagar todos os dardos do adversário e ser mais do que vencedores.” Minha Consagração Hoje [MM 1953, 1989], p. 313

Os Profetas Encorajam

Segunda-feira, 21 de Outubro

Infelizmente, a oposição que os judeus encontraram por parte das nações vizinhas, conforme descrita nos capítulos 4 a 6 de Esdras, deixou-os com medo e relutantes quanto a trabalhar no templo.

Como mencionamos anteriormente, o trecho do livro de Esdras que tem início no capítulo 4:6 e vai até ao 6:22 não foi escrito em ordem cronológica. Por isso, examinaremos o capítulo 5 antes do capítulo 4.

3. Leia Esdras 5:1-5. Porque enviou Deus os profetas Ageu e Zacarias aos judeus? Qual foi o resultado das suas profecias?

Os judeus tinham parado de construir porque estavam com medo. Mas Deus tinha-os enviado a Judá para reconstruir o templo e a cidade, e Ele tinha um plano. Já que eles estavam com medo, faria algo para os encorajar. Por isso, o Senhor chamou dois profetas para intervir. A oposição humana não faz Deus parar; mesmo que os judeus tenham contribuído, por suas próprias ações, para essa oposição, o Senhor não os abandonou. Ele atuou através dos profetas para os motivar e impulsionar à ação mais uma vez.

4. Leia Ageu 1. Qual foi a mensagem para os judeus, e o que podemos extrair deste texto para a nossa vida?

“Os profetas Ageu e Zacarias foram despertados para enfrentar a crise. Com encorajadores testemunhos estes mensageiros escolhidos revelaram ao povo a causa das suas dificuldades. A falta de prosperidade temporal era o resultado da negligência em dar prioridade aos interesses de Deus, afirmaram os profetas. Tivessem os israelitas honrado a Deus, tivessem mostrado a Ele o devido respeito e cortesia, fazendo do reerguimento da Sua casa a primeira obra, e teriam convidado a Sua presença e bênção.” Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 574

Começa a Oposição - Comentários

“Perto dos israelitas, encarregados de reconstruir o templo, viviam os samaritanos, uma etnia mestiça que tinha surgido em consequência do casamento entre os colonos pagãos das províncias da Assíria e o remanescente das dez tribos que tinha sido deixado em Samaria e na Galileia. […]

Durante o período da restauração, esses samaritanos ficaram conhecidos como “os adversários de Judá e Benjamim”. Ouvindo eles “que os que voltaram do cativeiro edificavam o templo ao Senhor, Deus de Israel, chegaram-se a Zorobabel e aos cabeças de famílias” e expressaram o desejo de se unirem a eles na sua construção. […]

Entretanto, se os líderes judeus tivessem aceitado essa oferta de ajuda, teriam aberto uma porta para a entrada da idolatria. Eles viram claramente a falta de sinceridade dos samaritanos. Compreenderam que o auxílio alcançado através de uma aliança com esses homens nada valeria em comparação com as bênçãos que podiam esperar receber se seguissem os claros mandamentos de Jeová.” Profetas e Reis, p. 567, 568

“O profeta […] não via o povo da terra como adoradores do verdadeiro Deus, e embora esses professassem amizade e desejassem ajudá-los, eles não ousaram unir-se com eles em nada que se referisse à adoração. Quando subiram a Jerusalém, para edificar o templo de Deus e restaurar o Seu culto, eles não pediriam a ajuda do rei para que os assistisse no caminho, mas com jejum e oração buscaram o auxílio do Senhor. Eles criam que Deus defenderia e faria prosperar os Seus servos nos seus esforços para O servir. O Criador de todas as coisas não necessita de ajuda dos inimigos para estabelecer o Seu culto. Ele não pede sacrifícios de impiedade, nem aceita ofertas daqueles que têm outros deuses diante Dele.

Muitas vezes ouvimos a observação: “são muito exclusivistas.” Como um povo, devíamos fazer qualquer sacrifício para salvar as pessoas ou conduzi-las à verdade. Mas não ousamos unir-nos a elas, amar as coisas que elas amam e ter amizade com o mundo, pois estaríamos em inimizade contra Deus.” Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 282

“Para muitos, o amor para com o humano eclipsa o amor para com o divino. Dão o primeiro passo para a apostasia quando ousam desconsiderar o mandamento expresso do Senhor; e a apostasia completa é muitas vezes o resultado. Tem-se demonstrado coisa perigosa para os homens, fazer a própria vontade em oposição às reivindicações de Deus. É entretanto dura lição para os homens aprenderem que Deus quer dizer aquilo que diz. Em regra, os que escolhem para amigos e companheiros pessoas que rejeitam a Cristo e pisam a lei de Deus, vêm afinal a pensar da mesma forma e a ter o mesmo espírito.

Caso queiramos erguer-nos à máxima excelência moral, e atingir a perfeição do caráter religioso, que discriminação deve ser empregada na formação de amizades e na escolha de um companheiro de vida!” Filhos e Filhas de Deus [MM 1956, 2005], p. 165

Enfrentar a Oposição - Comentários

Sábado à Tarde – INTRODUÇÃO

“Em cada século e em cada região, os mensageiros de Deus têm sido chamados a enfrentar amarga oposição dos que deliberadamente escolhem rejeitar a luz do Céu. Muitas vezes, pela mistificação e falsidade, os inimigos do evangelho têm aparentemente triunfado, fechando assim as portas por onde os mensageiros de Deus podiam ter acesso ao povo. No entanto, essas portas não podem permanecer para sempre fechadas; e, muitas vezes, quando os servos de Deus voltam para reassumir as suas atividades, o Senhor tem atuado poderosamente a favor deles, habilitando-os a estabelecer monumentos para a glória do Seu nome.” Atos dos Apóstolos, p. 179

“Deus não impede a trama dos ímpios, mas faz com que as suas armadilhas contribuam para o bem daqueles que, no meio das provas e dos conflitos, mantêm a sua fé e lealdade. Frequentemente, o obreiro do evangelho faz a sua obra no meio de tempestades de perseguições, oposição atroz e acusações injustas. Em tais ocasiões, ele deve lembrar-se de que a experiência adquirida na fornalha da aflição vale toda a dor que custou. Assim Deus traz os Seus filhos para perto de Si, para que possa mostrar-lhes a Sua força e a fraqueza deles. Ele os ensina a se apoiarem Nele. Desta forma prepara-os para enfrentar as emergências, ocupar posições de responsabilidade e realizar o grande propósito para o qual lhes foram dadas as suas capacidades.

Em todas as épocas, as testemunhas designadas por Deus têm sido expostas às perseguições e ao desprezo por amor à verdade. José foi caluniado e perseguido por ter preservado a sua virtude e integridade. Davi, o mensageiro escolhido de Deus, foi caçado por seus inimigos como um animal feroz. Daniel foi lançado na cova dos leões por ser leal ao seu concerto com o Céu. […] Estêvão foi apedrejado por ter pregado sobre Cristo, e Este crucificado. Paulo foi encarcerado, açoitado, apedrejado e, por fim, entregue à morte por ter sido um fiel mensageiro de Deus aos gentios. […]

Estes exemplos de firmeza humana dão testemunho da fidelidade das promessas do Senhor – da Sua permanente presença e mantenedora graça.” Atos dos Apóstolos, p. 574, 575

“Cristo “foi Homem de dores e que sabe o que é padecer” (Isaías 53:3). Suportou as perseguições e contradições dos pecadores; foi pobre e sofreu fome e fadiga; foi tentado pelo diabo, e as Suas obras e ensinos despertaram o mais amargo ódio. Que negamos a nós mesmos hoje por amor de Cristo? Onde está a nossa devoção à verdade? Evitamos as coisas que não nos agradam, e fugimos de cuidados e responsabilidades. Podemos esperar o poder de Deus atuando com os nossos esforços quando temos tão pouca consagração à obra?” Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 378