10.1.16

Os pastores palhaços na Igreja



Durante muito tempo tive duvidas em relação a estes assuntos, e agora os textos inspirados saltaram-me aos olhos. Temos que elevar o nosso padrão, temos um Exemplo sagrado a seguir, e um Deus eterno a respeitar.

É lamentável ver como muitos pastores e pregadores fazem as pessoas rir nos púlpitos. Em vez de apresentar a segura palavra da profecia, misturam-a com piadas e brincadeiras. Segundo eles isso serve para convencer as pessoas, e não percebem que estão a fazer um grande dano à obra do Senhor.

Eu acredito que a palavra de Deus tem poder em si mesma para convencer as pessoas do pecado, não precisamos fazer brincadeiras e piadas ao pregar. Isso seria oferecer fogo estranho, uma abominação ao Senhor. Cristo e os apóstolos nunca usaram piadas ou brincadeiras ao pregar.

Ellen White escreveu muito sobre os pastores cómicos.

“Um pastor folgazão no púlpito, ou o que se está esforçando ao máximo para granjear louvor, é um espetáculo que crucifica novamente o Filho de Deus, e O envergonha abertamente.” TM 146.2

“Todo o cuidado dos pastores é pouco, especialmente quando diante dos jovens. Eles não devem usar nenhuma palavra leviana, gracejos ou piadas, mas lembrar-se de que estão em lugar de Cristo, e que devem ilustrar pelo exemplo a vida de Cristo. “Porque nós somos cooperadores de Deus.” 1 Coríntios 3:9. “E nós, cooperando também com Ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão.” 2 Coríntios 6:1.” 1TI 381

"Cristo nunca levava a verdade sagrada ao nível do comum, e as ilustrações humorísticas que alguns ministros do evangelho usam jamais foram proferidas por Seus lábios divinos. Cristo não usava ilustrações para divertir e provocar o riso." The Review and Herald, 06 de agosto de 1895.

Ele não usava piadas para atrair a atenção.

“O Mestre Divino não usava ilustrações que projetassem a menor sombra sobre a alma. Suas palavras eram do mais puro e elevado caráter. Ele nunca condescendeu pronunciar algo cômico, a fim de chamar a atenção do público.” The Review and Herald, 06 de agosto de 1895

Sermões temperados com graça.

“Eliminem os pastores as piadas e as brincadeiras da sua conversação, mas que os seus sermões sejam temperados com graça; que a luz e o amor de Jesus brilhem através de seu exemplo e preceito, para que possam ganhar almas para o Mestre.” The Review and Herald, 05 de abril de 1892.

Paulo também escreveu:

“E a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.” 1 Coríntios 2:4,5

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12

“Mas em breve irei ter convosco, se o Senhor quiser, e então conhecerei, não as palavras dos que andam ensoberbecidos, mas o poder. Porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder. Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e espírito de mansidão?” 1 Coríntios 4:19-21

Os pregadores não devem ter escrúpulos para pregar a verdade tal como se encontra na Palavra de Deus. Que a verdade saia. Foi-me mostrado que a razão pela qual os nossos pregadores não têm sido mais bem sucedidos é porque eles têm medo de ferir os sentimentos, medo de não ser corteses, e por esta razão baixam os padrões da verdade e escondem o máximo possível as peculiaridades da nossa fé. Vi que Deus não poderia dar a esses sucesso. A verdade deve ser direta e as pessoas devem ser incentivadas a tomar uma decisão com urgência. E enquanto os falsos pastores proclamam a paz e pregam coisas aprazíveis, os servos de Deus devem clamar em alta voz e não se calar e deixar os resultados com Deus." (Spiritual Gifts, vol 2, p. 284-285)

Sem comentários: