17.1.06

The shadow of the beast...

Já alguma vez se olharam ao espelho e viram algo que não era bem a imagem que tinham de vós próprios? Temos dentro de nós a possibilidade de alimentar duas criaturas, duas naturezas. Existe uma fera dentro de nós, pronta a sair. Como lutar contra ela? Como manter essa "besta" controlada? Bem, o melhor é alimentar e dar força ao melhor que temos em nós. Essa nossa natureza... boa, tratará ela própria de vencer a besta que se esconde nas sombras do nosso ser mais íntimo.

Pensem nisso.

8 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Cephas disse...

Não gostei da maneira como o comentario foi feito, para além de não apreciar comentarios anónimos, quando o seu teor me parece de chacota. E não coloco aqui assuntos da treta, nem me preocupo minimamente com o que as outras pessoas pensam. Aceito opiniões quando colocadas sem animo de critica.

Anónimo disse...

Tambem não era para gostares....a única coisa que disse foi " solta a besta que á em ti", já que numa parte do teus desvaneio mental, dizias que....."Existe uma fera dentro de nós, pronta a sair. Como lutar contra ela? Como manter essa "besta" controlada?"

Eu acho que é melhor soltar a "Besta" do que estar a reprimi-la toda a vida o que ao fim e ao cabo leva a que sejamos uns frustrados......Solta a besta que há em ti.
Lamento que tenhas achado que era chacota.

p.s: O meu nick é mesmo anonimous.

Cephas disse...

Quando falo de besta refiro-me a uma parte negra que todos temos, e é um erro dar-lhe lberdade. Em relação ao demais, devo um pedido de desculpas. sem mais, bem vindo ao meu blog.

Duba disse...

Todo homem é duplo, e o seu equilibrio é feito numa dicotomia entre besta/"bela". o coloco a palavra "bela", para se entender que nesta história mitologica, há uma Amor. Pólos completamente opostos mas unidos entre si. Assim sendo na minha optica não faz sentido recalcar a besta em nós mas solta-la, para que os pratos sejam equilibrados.

duba disse...

só mais um comentário... reprimir a natureza? não obrigado!

Cephas disse...

Obrigado pelo teu comentário. Entendo a tua ideia, mas tenho que reforçar que esta besta de que falo deve ser mantida encarcerada, até aquele dia em que será destruida para todo o sempre. Só nessa altura o equilibrio será novamente reestabelecido.

duba disse...

"o tudo está no todo, o todo está no tudo". por sua vez o tudo é nada e o nada é tudo... nada é estatico, e tudo que foi, é e vai ser. Essa besta extremis, não é mais de um estado natural, e de qualquer natureza. Os pares nunca se encontram equilibrados, a natureza funciona numa base desiquilibrio, e é isso que que permite sempre uma procura constante,um movimento perpétuo, numa escalada até a ilusão do cume. É fácil constactar que o equilibrio não passa de uma ilusão de um ponto de transição entre o espaço e o tempo, é um estado parecido com a morte, cheio de inoperância, estático, vazio. Para concluir nós nascemos e morremos crianças, sem percebermos, que o caminho é sempre igual, só muda o sentido, o agora não é o mais do que foi e o que ainda vai ser, e como os rios que correm por sentidos diferentes, mas todos desaguam no mar.